EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Começaram as alegações finais do julgamento de dezenas de ativistas em Hong-Kong

“Vovó Wong”, ativista pró-democracia, manifestou-se fora do tribunal com a bandeira britânica e uma placa onde se lê: “Libertem os 47, libertem-nos todos”.
“Vovó Wong”, ativista pró-democracia, manifestou-se fora do tribunal com a bandeira britânica e uma placa onde se lê: “Libertem os 47, libertem-nos todos”. Direitos de autor Louise Delmotte/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Louise Delmotte/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Este é o maior julgamento de ativistas pró-democracia desde que o território de Hong-Kong foi devolvido pelo Reino Unido à China, em 1997.

PUBLICIDADE

Começaram as alegações finais do maior julgamento de ativistas pró-democracia em Hong Kong.

47 arguídos estão a ser julgados. São acusados de violação da lei de segurança nacional de Hong Kong e enfrentam penas de prisão perpétua.

Este caso tornou-se, para os opositores à tomada do território por Pequim, o símbolo da criminalização da dissidência em Hong Kong. É também o maior julgamento de ativistas pró-democracia desde que o território foi devolvido pelo Reino Unido à China em 1997.

Os réus, que representam uma moldura transversal da oposição de Hong Kong, são acusados de “conspiração para subverter o poder do Estado”, devido ao seu apoio a eleições primárias não oficiais em 2020 para selecionar os candidatos do campo da oposição para a legislatura da cidade. 

No banco dos réus estão o ativista pró-democracia Joshua Wong, o professor de direito Benny Tai, bem como dois ex-deputados, Claudia Mo e Au Nok-hin

Uma ativista de longa data, apelidada de “Vovó Wong”, manifestou-se do lado de fora do tribunal na quarta-feira com a bandeira britânica nas mãos e uma placa onde se lia: “Libertem os 47, libertem-nos todos”.

Todos os réus foram indiciados conjuntamente em março de 2021. A caução foi negada à maioria e 31 declararam-se culpados.

O julgamento foi realizado sem júri, a pedido do ministro da Justiça de Hong Kong que citou “o envolvimento de elementos estrangeiros” para não aplicar a tradição de julgamento por júri do “common law”, sistema judicial herdado dos britânicos.

Foram nomeados três juízes escolhidos pelo governo.

O promotor principal, Jonathan Man, argumentou na quarta-feira que os ativistas deveriam ser condenados mesmo na ausência de violência.

“Estamos a falar de uma conspiração para fazer com que os deputados vetem o orçamento indiscriminadamente”, disse, sublinhando que a lei de segurança nacional deve ser interpretada de forma estrita.

Em outubro, um grupo de peritos em direitos humanos das Nações Unidas manifestou preocupação com o julgamento.

Os advogados de defesa e a acusação deverão apresentar os argumentos finais durante dez dias, antes de o tribunal se retirar para emitir o  veredicto.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Justiça de Hong Kong anula algumas condenações de sete ativistas da democracia

Hong Kong oferece recompensa a quem denunciar ativistas exilados

Ativistas pró-democracia de Hong Kong desafiam China em Taiwan