A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Percurso de Christine Lagarde na cena internacional

Percurso de Christine Lagarde na cena internacional
Direitos de autor
REUTERS/Wolfgang Rattay
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O presidente francês Nicolas Sarkozy catapultou a sua ministra das Finanças, Christine Lagarde, para o comando do FMI em 2011.

Sarkoyzy teve que agir rapidamente por causa da demissão de Dominique Strauss-Kahn, envolvido num escândalo de assédio sexual.

Mas bastou um mês em Washington para a polémica chegar até Lagarde devido a decisões que tomou no ministério.

Um tribunal francês quis apurar o envolvimento da ex-governante no escândalo financeiro com o empresário Bernard Tapie.

Cinco anos depois, o acórdão estipulou que houve negligência por parte Lagarde, mas não lhe foi aplicada sanção.

A diretora-geral do FMI tem sido descrita como carismática e motivada e a sua liderança foi testada com a crise na Grécia, quando recusou dar mais dinheiro para o terceiro pacote de resgate do país.

No entanto, aprovou um pacote superior a 50 mil milhões de dólares para a Argentina, país que continua em profunda crise.

Recentemente, Christine Lagarde alertou sobre os perigos de guerras comerciais e cambiais entre os EUA e a China.

A nomeação para presidir ao Banco Central Europeu surgiu, em julho, no âmbito da renovação das instituições comunitárias devido às eleições europeias de maio, e foi muito apreciada pelo atual presidente do banco.

A terminar o mandato a 31 de outubro, o italiano Mario Draghi disse que é "uma excelente escolha".