A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Parlamento britânico veta proposta de eleições antecipadas de Johnson

Parlamento britânico veta proposta de eleições antecipadas de Johnson
Direitos de autor
Parliament TV via REUTERS
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Parlamento britânico vetou, pela segunda vez, a proposta do Governo para organizar eleições antecipadas a 15 de outubro.

O primeiro-ministro, Boris Johnson, tinha argumentado que as eleições legislativas eram a única forma de os britânicos decidirem se o "Brexit" se deve concretizar a 31 de outubro ou se deve ser pedido um novo adiamento. Perante o desfecho manteve-se inflexível. Disse que poderão até tentar atar-lhe as mãos, mas que não adiará a saída do Reino Unido da União Europeia: "Irei a Bruxelas. O nosso Governo irá a Bruxelas a 17 de outubro negociar a saída a 31 de outubro. Esperemos terminar com um acordo, mas se for preciso fá-lo-emos sem acordo. Não pedirei outra extensão."

O parlamento ficará suspenso até 14 de outubro, cumprindo-se uma ordem do próprio primeiro-ministro. Johnson acusou o líder do Partido Trabalhista de negar uma oportunidade de chamar os britânicos às urnas. Jeremy Corbyn reagiu: "Estamos ansiosos por uma eleição. Mas, por mais que o desejemos, não estamos prontos para arriscar infligir o desastre de um não-acordo sobre nós, as nossas comunidades, empregos, serviços e direitos."

A crise política fez, entretanto, mais uma vítima. O Presidente da Câmara dos Comuns, John Bercow, anunciou que deixará o Parlamento, o mais tardar a 31 de outubro: "Não é uma prorrogação normal, típica, padrão. É uma das mais longas em décadas e representa, não só nas mentes de muitos colegas, mas para um grande número de pessoas, um ato de decreto executivo."

A demissão surge entre especulações de que Johnson tentaria bloquear uma reeleição de Bercow depois de novas eleições.

Boris Johnson está agora refém de uma lei, aprovada pelo parlamento e com consentimento real, que obriga o executivo a adiar a saída do Reino Unido da União Europeia até 2020 a não ser que conseguisse um acordo de divórcio até 19 de outubro.