Última hora

As aves estão em crise e a culpa é do homem

As aves estão em crise e a culpa é do homem
Direitos de autor
ERIC LINER/ MACAULAY LIBRARY AT THE CORNELL LAB OF ORNITHOLOGY
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O número de aves diminuiu drasticamente na América do Norte desde 1970. Desapareceram três mil milhões de aves da natureza. As conclusões de um estudo publicado pela revista Science não deixam dúvidas: o homem é o culpado.

As aves das zonas rurais são as mais afetadas, muito devido à extensão dos terrenos agrícolas e à utilização de pesticidas que matam insetos em toda a cadeia alimentar, mas os pássaros das zonas florestais também estão em declínio.

"Acreditamos que a principal causa da maior parte destes declínios é a perda de habitat. Só precisamos de andar de avião e observar a paisagem, para ver ver que o homem manipulou completamente a paisagem, quer seja nas zonas urbanas para habitação, ou a terra que convertemos para a agricultura, tanto nos Estados Unidos, Canadá, América Central, América do Sul... Estamos a mudar a terra, de tal forma que os animais que evoluíram nestes habitats não conseguem acompanhar"(...) "As aves são os indicadores dos ecossistemas por excelência. Quando há um problemas com as aves, há um problema com o meio ambiente...Simplesmente não está saudável."
Peter Marra
Co-autor estudo revista Science

Noventa por cento das perdas tiveram lugar entre 12 famílias de aves encontradas nos Estados Unidos e Canadá, incluindo pardais, melros ou pintassilgos.

"Os pássaros estão em crise", disse também o co-autor deste estudo. Os patos e gansos são a grande exceção. Depois de terem estado ameaçadas, as populações destas aves aumentaram desde os anos 70, graças às medidas de proteção e ao apoio dos caçadores.

Os pássaros são fundamentais em muitos ecossistemas. São predadores e presas, espalham as sementes e controlam as pragas. Quando uma grande parte da da população desaparece isso perturba toda a cadeia da vida, da qual todos dependemos.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.