A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Troika volta a Atenas para a quarta avaliação pós-resgate

Troika volta a Atenas para a quarta avaliação pós-resgate
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Grécia fez uma "saída limpa" do programa de ajustamento da troika mas continua a ter de prestar contas aos credores. Representantes internacionais estão de volta a Atenas para uma quarta avaliação pós-resgate e querem perceber de que forma as medidas fiscais anunciadas pelo primeiro-ministro Mitsotakis estão a afetar os resultados económicos da Grécia.

Konstantinos Kollias, presidente da Câmara Económica da Grécia, em entrevista à euronews, explicou que "as iniciativas do governo para reduzir impostos, especialmente no que diz respeito às empresas, abolir totalmente os controlos de capital e a vontade de continuar as reformas, tudo isso envia um sinal positivo aos nossos parceiros e aos mercados, o que se reflete nas taxas de juro da dívida de 5 e 10 anos, que estão em queda. Estão a criar um ambiente atraente para investimentos "

Mas os investimentos precisam de financiamento e saúde do sistema bancário grego tem ainda um prognóstico reservado. Mas na semana passada recebeu um balão de oxigénio: o executivo helénico anunciou a abertura de um programa de 9 mil milhões de euros para ajudar a banca. O objetivo é acelerar a redução do malparado através de garantias estatais que envolvem a emissão de títulos de dívida. Este é considerado um passo importante para que a Grécia alcance estabilidade financeira a longo prazo.

Ioannis Chatzitheodosiou, da Câmara de Comércio de Atenas, garante que "o grande problema são as garantias. Pedimos ao governo que crie um banco de investimento, capaz de garantir e cobrir os bancos. As câmaras deviam poder dar garantias a grande parte das Pequenas e Médias empresas, de forma a apoiar os bancos e permitir liquidez no mercado ".

Recorde-se que dívida pública da Grécia corresponde a quase o dobro do PIB do país (181% em 2018), mantendo-se como a maior da Zona Euro.

O correspondente da euronews em Atenas, Panos Kitsikopouloso, lembra que governo grego quer encerrar a avaliação antes do final de novembro e depois ir para a reunião do Eurogrupo de dezembro sem limites. O objetivo será negociar e, eventualmente, fechar um acordo sobre a contabilização das receitas dos títulos estatais gregos retidos pelos bancos centrais no âmbito de seu Programa de Investimento Público, reduzindo assim implicitamente o superavit primário acordado".