EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Painel da ONU prevê futuro negro para os oceanos

Painel da ONU prevê futuro negro para os oceanos
Direitos de autor REUTERS/Lisi Niesner
Direitos de autor REUTERS/Lisi Niesner
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas traça panorama sombrio sobre os oceanos e os ecossistemas gelados.

PUBLICIDADE

As Nações Unidas falam de um presente sombrio e um futuro ainda mais negro para os oceanos e, sobretudo, para os habitats gelados. O painel da ONU para as alterações climáticas apresentou agora um relatório, onde são detalhados dois cenários possíveis:

Um, com fracas emissões de carbono e uma subida controlada nas temperaturas. E um segundo cenário, com consequências catastróficas e subida nas temperaturas que pode ir dos 3,2 aos 5,4 graus centígrados.

Em qualquer um dos casos, é a terra a pagar a fatura. Os ecossistemas marinhos, já de si frágeis, enfrentam uma série de ameaças relacionadas com as alterações climáticas.

Entre as causas para essas ameaças, estão a subida nas temperaturas, a acidificação da água, a diminuição dos níveis de oxigénio e o agravamento dos fenómenos conhecidos como El Niño e La Niña.

As comunidades costeiras estão ameaçadas. Os países insulares, como as Maldivas, correm risco, como notou o presidente do país, Ibrahim Mohamed Solih: "Durante mais de 30 anos, temos lutado para fazer face à emergência climática. Há 30 anos que nós, nas Maldivas, andamos a dizer que esta é a luta das nossas vidas, porque ameaça a nossa existência enquanto nação. Mesmo se as provas científicas são irrefutáveis, a falta de ação global é alarmante".

Entre as soluções propostas pela comunidade científica estão a intervenção e restauro dos ecossistemas dos oceanos, o uso de recursos renováveis e a redução da poluição. Mas a verdade é que o tempo para agir começa a ser escasso e os efeitos são já visíveis, sobretudo nos ecossistemas polares.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Milionários vão queimar dois terços do orçamento mundial de carbono até 2050

É preciso agir para salvar os Oceanos

Lucros "ilegais" do trabalho forçado ascendem a 236 mil milhões de dólares por ano