A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Russos exigem libertação dos detidos nas manifestações de julho

Russos exigem libertação dos detidos nas manifestações de julho
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Mais de 20 mil russos saíram para as ruas de Moscovo este domingo para exigir a libertação dos manifestantes detidos nos protestos de julho, em que criticavam o afastamento de vários candidatos da oposição das eleições locais. A justiça castigou os detidos com penas até quatro anos de prisão mas nos últimos dias, alguns dos envolvidos nos protestos foram libertados. Uma medida bem-vinda, mas considerada insuficiente.

Não há registo de detenções este domingo, até porque a manifestação foi devidamente autorizada pela autarquia moscovita, o que não tinha acontecido nos protestos anteriores. Entre os manifestantes estava Alexei Navalny, uma das principais vozes de oposição a Vladimir Putin, que se mostrou otimista quanto à possibilidade de libertar mais vozes críticas do regime.

Não se pode dizer que a manifestação seja uma ameaça imediata ao Presidente Russo, que o ano passado foi reeleito até 2024, mas surge num altura em que a sua popularidade tem vindo a cair.