A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Domingo violento em Hong Kong

Domingo violento em Hong Kong
Direitos de autor
REUTERS/Athit Perawongmetha
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Hong Kong viveu, este domingo, uma das jornadas mais violentas desde que começaram, no início de junho, os protestos pró-democracia contra o poder central na China.

Barricadas queimadas e confrontos entre grupos radicais e forças de segurança marcaram o dia e noite de ontem, com novas trocas de acusações entre os manifestantes, que denunciam brutalidade policial, e as autoridades, que condenam um recurso à violência por parte dos contestatários.

A decisão do governo de Hong Kong de finalmente abandonar a polémica lei da extradição, no início de setembro, não foi suficiente para acalmar as vozes da contestação, que denunciam um controlo cada vez maior da China sob a região administrativa especial.

Apesar da proibição decretada pelas autoridades, os manifestantes prometem perturbar as festividades do Dia da China, esta terça-feira, que marca o septuagésimo aniversário do regime comunista no país. Celebrações que já começaram, de forma pacífica, na região semi-autónoma de Macau, que passou do controlo português para a China em 1999, dois anos depois de Hong Kong.