A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Volodymyr Zelenskiy quer armas fora de Donbass antes da eleição

Volodymyr Zelenskiy quer armas fora de Donbass antes da eleição
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, quer que os candidatos ucranianos participem na eleição prevista no leste do país - atualmente sob controlo dos rebeldes pró-russos - mas impõe como condição para a realização do escrutínio, que as armas saiam do território de Dombass.

"Queremos o fim da guerra e o regresso de todos os territórios ucranianos? Sim, queremos. Hoje em dia, só há um terreno onde estas questões podem ser discutidas ao mais alto nível. Uma reunião no formato da Normandia. Foi possível que isso acontecesse mais cedo? Não, não foi. E o único obstáculo para isso e o horror das últimas semanas é a 'Fórmula Steinmeier'.

A Fórmula Stneimeier foi a alteração ao acordo de Minsk sugerida pelo ex-chefe da diplomacia e agora presidente da Alemanha, Frank-Walker Steinmeier, que prevê a realização de eleições no território em conflito sob a supervisão internacional, particularmente da OSCE.

Vladimir Putin, que acredita que a "Fórmula Steinmeier" será favorável à Rússia, quer vê-la aplicada, com a realização da eleição.

"A exigência da sociedade para a resolução do conflito é evidente. Acho que foi graças a esta exigência, que o presidente Zelenskiy ganhou esta eleição de forma tão solene. Os ucranianos estão à espera da resolução desta questão. Se ele tiver coragem política e poder suficiente para realizar este processo - a Fórmula Steinmeir -, vai dar provas de ser um líder político honesto e corajoso que é capaz de executar as decisões aprovadas".

A resolução do conflito no leste é a primeira prova de fogo de Volodymyr Zelenskiy, eleito em maio. Só uma minoria dos ucranianos aprova solução Steinmeir. Oposição, grupos de civis e sobretudo os nacionalistas rejeitam o que chamam a "capitulação" face à Rússia. Uma primeira manifestação de protesto ocorreu já na Praça Maidan, no centro de Kiev.