A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Turquia alvo de críticas internacionais pela intervenção na Síria

Turquia alvo de críticas internacionais pela intervenção na Síria
Direitos de autor
Reuters
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A ofensiva da Turquia na fronteira com a Síria já se faz sentir na cidade de Ras al Ain. Várias explosões abalaram a cidade, naquele que é o primeiro passo da operação 'Nascente de Paz' para abrir uma faixa de segurança de 32 quilómetros naquele território controlado pelos curdos.

No entanto, multiplicam-se as críticas à intervenção turca. O presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, garantiu que o país não apoia a ofensiva e que fez saber ao homólogo turco, Recep Tayyip Erdogan que era "uma má ideia".

Já a Comissão Europeia, através do presidente Jean Claude Juncker, pediu o fim dos ataques. "Apelo à Turquia, bem como aos outros intervenientes envolvidos, para agirem com contenção e pararem as operações que estão neste momento em curso. Esta ação militar não vai levar a um bom resultado e temos de chamar à atenção os nossos amigos turcos", declarou

Para quinta-feira está já marcada uma reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas para analisar esta matéria.

Paralelamente, a União Europeia condenou a intervenção e a NATO, pela voz do secretário-geral, Jens Stoltenberg, alertou para os riscos que esta operação coloca a tudo o que foi conseguido em conjunto com a Turquia no combate ao Daesh.

"Estou a contar que a Turquia aja de forma comedida e que assegure que qualquer ação que tenha no norte da Síria seja com conta, peso e medida. Não podemos colocar em risco os benefícios que conseguimos contra o nosso inimigo comum do Estado Islâmico", frisou.

O nordeste da Síria é controlado pelas forças curdas, consideradas inimigas pelo regime do presidente turco Recep Tayyip Erdogan.