A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Polónia vota no domingo: Conservadores devem manter o governo

Polónia vota no domingo: Conservadores devem manter o governo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

As eleições legislativas na Polónia deverão ter lugar no domingo, com o partido que governa, Lei e Justiça, a manter-se no poder, de acordo com as previsões, graças a uma política de ajudas sociais muito alargada.

Ewelina Wolska Knapp tem três filhos e vive na capital da Polónia. Tem 345 euros de isenção de impostos todos os meses, devido a um dispositivo do governo conhecido como "Mais 500".

Ewelina não apoia o partido Lei e Justiça, que governa o país - mas diz que o dinheiro ajuda: "Posso guardar este dinheiro para as férias, posso comprar algo para as crianças, posso usá-lo para comprar algo para a casa, tem muitas possibilidades".

Na Polónia rural, onde as famílias são mais pobres, o regime tornou-se uma tábua de salvação. É nestas zonas do país que o partido Lei e Justiça tem mais apoio.

"É, naturalmente, uma espécie de isca para atrair possíveis eleitores, porque a maioria dos habitantes locais, incluindo eu e minha família, estão gratos por esses benefícios e assim nós, e outros, vamos inclinar-nos para votar no partido Lei e Justiça", refere Karolina Burczyk, uma mãe de família.

Originalmente, o dispositivo de ajuda só estava disponível para casais com dois ou mais filhos, mas, há três meses, o governo estendeu o programa a todos os pais.

"Os pagamentos do abono de família são aproximadamente iguais a um aumento de 10% do salário médio polaco. Desde que os subsídios do governo começaram, os níveis de pobreza extrema caíram quase um quinto", lembra o repórter da Euronews, Oliver Whitfield-Miocic.

O Partido Lei e Justiça alargou os cordões à bolsa em termos sociais desde que assumiu o poder há quatro anos. As pensões do Estado e o salário mínimo foram aumentados e a idade da reforma baixou.

Mas o partido da oposição - Plataforma Cívica - defende que estas medidas não são sustentáveis no futuro: "Como todos sabemos, mais cedo ou mais tarde, a crise económica chegará à Europa e também à Polónia. Este governo não preparou a Polónia para esta crise", diz Marcin Bosacki, candidato a senador.

Para já, com mais dinheiro nos bolsos, a maioria dos eleitores está feliz. É por isso que se espera que o actual governo renove o mandato no próximo domingo.