Última hora

Carvão e poder na Polónia

Carvão e poder na Polónia
Tamanho do texto Aa Aa

A Polónia é dos países que mais dependem de carvão na União Europeia. Cerca de 80% da eletricidade é gerada a partir de centrais de carvão. Em junho, foi uma das três nações da UE a vetar uma tentativa de redução das emissões de carbono para zero... pretendia que o bloco ajudasse a pagar alternativas de energia renovável. Uma posição que os poderosos sindicatos mineiros apoiaram.

“Aqui tem controlo do Estado e um governo que pensa também no impacto político-social e também nas eleições", explica Aleksander Sniegocki, do grupo de estudos Wise Europe.

Há duas semanas, já em contagem decrescente para as legislativas, o primeiro-ministro inaugurou a primeira mina em 25 anos. O atual partido no poder diz que poderão ser necessárias mais minas e avançou com planos para impedir que as comunidades locais tenham uma palavra a dizer.

“O governo diz que a nova legislação é necessária para que possam avançar com a exploração de carvão quando o país precisar. Os políticos vão votar no novo projeto-lei, dois dias depois da eleição. Os críticos afirmam que os políticos avançaram com o projeto-lei o lei para privados sem que tenha havido o devido escrutínio", avança o reporter da Euronews, Oliver Whitfield-Miocic.

A ação enfureceu o partido ecologista que exige que a lei seja descartada.

Ursula Sara Zueli´nska, do Partido ecologista Verde diz que “este tipo de legislação vai ser um dos primeiros projetos de lei a serem retirados e e votados contra. É preciso trazer a verdadeira consulta pública, devolver a transparência e qualidade nos processo de criação de leis em vez de fazer isto da noite para o dia".

Na Polónia, os protestos contra as alterações climáticas estão a tornar-se cada vez mais frequentes à medida que a preocupação do público cresce. Apesar das diversas tentativas, o Partido Verde nunca conseguiu eleger um deputado, algo que volta a ambicionar quando o país votar no domigo.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.