EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

A China e a Polónia lançam a primeira ligação ferroviária regular, relançando a rota comercial da Rota da Seda

Um comboio de carga chinês
Um comboio de carga chinês Direitos de autor Czarek Sokolowski/Copyright 2016 The AP. All rights reserved. This material may not be published, broadcast, rewritten or redistribu
Direitos de autor Czarek Sokolowski/Copyright 2016 The AP. All rights reserved. This material may not be published, broadcast, rewritten or redistribu
De  Magdalena Chodownik
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

A China e a Polónia lançaram uma ligação ferroviária regular, emulando a antiga Rota da Seda, para reforçar o comércio entre a China e a UE. Esta iniciativa está em consonância com a iniciativa chinesa "Uma Faixa, Uma Rota", facilitando a distribuição eficiente de produtos de Varsóvia pela Europa e impulsionando as rotas de exportação para a Ásia.

PUBLICIDADE

A China e a Polónia procuram imitar a antiga rota comercial euro-asiática da "Rota da Seda". Para o efeito, foi iniciada a primeira ligação ferroviária regular entre os dois países.

O projeto não só reforçará o comércio entre Pequim e Varsóvia, mas também entre a China e a UE, estando igualmente em consonância com a iniciativa chinesa "Uma Faixa, Uma Rota", lançada há uma década.

A ligação ferroviária recentemente estabelecida permite que os produtos que chegam a Varsóvia provenientes da China sejam descarregados de forma eficiente e distribuídos localmente e nos mercados europeus.

Este desenvolvimento sublinha os esforços estratégicos da China para expandir as suas redes comerciais a nível mundial e proporciona à Europa novas formas de exportar produtos para o país asiático.

Para equilibrar uma situação comercial desequilibrada

Magdalena Rybicka, Diretora do Instituto de Estudos Asiáticos da Academia de Finanças e Negócios do Vístula, destaca a carga inicial de eletrodomésticos e pequeno equipamento.

Rybicka sublinha o potencial desta rota para apoiar a exportação de produtos polacos para a China, especialmente em setores como a agricultura, na sequência de acordos comerciais recentes após a recente visita do Presidente polaco Andrzej Duda à China.

"Neste momento, transporta sobretudo eletrodomésticos, aparelhos de ar condicionado e todo o tipo de pequenos equipamentos, mas mais tarde também transportará produtos polacos para a China", diz Rybicka.

O transporte de frangos é um elemento económico importante para a Polónia. "Significa que estamos a reforçar a cooperação comercial com os chineses em termos de equilibrar o volume de comércio muito desequilibrado entre a Polónia e a China, onde os chineses são para nós o segundo país em termos de cooperação comercial económica, enquanto que para os chineses, neste momento, somos um país insignificante, que exporta pouco para a China e vende mais para lá", explica.

Além disso, a China, o Cazaquistão e a Bielorússia assinaram em junho um acordo para a construção conjunta de um terminal na fronteira entre a Polónia e a Bielorrússia, curiosamente sem incluir a Rússia nos seus planos.

Os três países estão fortemente envolvidos no tráfego ferroviário terrestre China-Europa e pretendem melhorar a logística ao longo da rota. Planeiam construir um novo terminal logístico na fronteira entre a Bielorrússia e a Polónia, em Svislach.

Contudo, a situação na fronteira entre a Polónia e a Bielorrússia pode ser um problema. "As tensões da Polónia com a Bielorrússia podem vir a revelar-se um problema. O Governo polaco não exclui a possibilidade de encerrar completamente as fronteiras com o seu vizinho de Leste, se a crise migratória continuar a crescer", observa Chodownik.

Uma oportunidade de negócio para os países europeus

Radosław Pyffel, especialista em política internacional da China, discute as implicações mais amplas desta ligação ferroviária para a Europa: "Assistimos ao Euro 2024 e muitas das empresas que são patrocinadoras deste evento são empresas da China. Isto mostra-nos algo interessante: as empresas chinesas estão a planear desenvolver-se no mercado europeu e esta é certamente uma oportunidade de negócio."

Pyffel considera que a Polónia não será o centro deste processo, mas pode ser uma parte importante do mesmo. Segundo ele, outros países como a Hungria, Itália e Espanha também tentarão atrair investimentos da China.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Presidente chinês e o seu homólogo polaco encontram-se para colaboração mais profunda

Polónia assina acordo de segurança com a Ucrânia e vai treinar tropas de Kiev

Polónia: Explosão em fábrica de armamento provoca 1 morto