A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Indígenas recusam oferta de diálogo de Moreno

Indígenas recusam oferta de diálogo de Moreno
Direitos de autor
REUTERS/Ivan Alvarado
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A possibilidade de uma saída negociada para os piores distúrbios da última década no Equador parece cada vez mais afastada.

A principal organização indígena do país rejeitou a oferta de diálogo do presidente Lenin Moreno para sair da crise provocada pelo aumento dos preços dos combustíveis.

Esta sexta-feira ficou marcada por novas manifestações violentas na capital, Quito.

A Confederação das Nacionalidades Indígenas do Equador afirmou que "falta credibilidade" à oferta de diálogo de Moreno e que só participará em discussões quando o presidente anular o decreto que suprime os subsídios aos combustíveis.

Cesar Flores, manifestante indígena: "Precisamos que seja compreendido: nós só queremos o cancelamento do decreto, que afeta todos os equatorianos. Não estamos aqui para destruir a capital."

Dez dias de confrontos entre manifestantes e as forças de segurança saldaram-se em cinco mortos, entre os quais um dirigente indígena, e mais de 2000 feridos. O presidente decretou o estado de emergência por dois meses em todo o país.