Última hora
This content is not available in your region

Reino Unido pede tempo, UE pondera, Brexit mais longe

Reino Unido pede tempo, UE pondera, Brexit mais longe
Tamanho do texto Aa Aa

329 votos a favor e 299 contra foram suficientes para dar uma pequena vitória a Boris Johnson. Pela primeira vez em três anos e meio, o primeiro-ministro britânico conseguiu fazer passar no parlamento uma versão do acordo do Brexit.

Um consenso que cedo se dissipou quando os deputados rejeitaram o calendário de três dias para debater a legislação que iria permitir a aplicação do acordo com a União Europeia.

"Enfrentamos agora mais incerteza e a União Europeia tem de decidir como vai responder ao pedido de adiamento feito pelo Parlamento. Eu vou falar com os Estados-Membros sobre o que tencionam fazer até chegarem a uma decisão. Até chegarmos a uma decisão - devo dizer - vamos suspender esta legislação", afirmou o primeiro-ministro britânico.

Boris Johnson tinha já ameaçado com a convocação de eleições antecipadas caso tivesse de pedir um adiamento de três meses à União Europeia. Uma medida que iria precisar de ser aprovada pela oposição.

Jeremy Corbyn optou por apelar à disponibilidade do primeiro-ministro para encontrar uma solução conjunta. "O primeiro-ministro é o autor de seu próprio infortúnio. Proponho então, esta noite, a seguinte oferta: trabalhe connosco, trabalhe connosco, todos nós, para chegarmos a um calendário razoável. E acredito que esta Câmara vote a favor do debate, escrutínio e da alteração a detalhes deste projeto de lei", disse o líder do Partido Trabalhista no parlamento.

A oposição recusa-se a abandonar a União Europeia sem acordo e o Parlamento quer mais tempo para debater a legislação. Boris Johnson terá mesmo de esquecer a saída a 31 de outbro e pedir aos Estados-Membros que aguardem até ao final do ano. pela aprovação do documento

União Europeia

Também Donald Tusk quer ver o acordo acontecer. O presidente do Conselho Europeu recomenda à União Europeia aceitar a extensão do prazo

Uma abertura moderadamente partilhada entre os 27, que pela voz do negociador-chefe para o Brexit diz precisar de mais clarificações para decidir se aprova o adiamento.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.