Última hora

Trump confirma morte do líder do Daesh

Trump confirma morte do líder do Daesh
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa
"Ontem à noite, os Estados Unidos fizeram justiça em relação ao terrorista número 1 do mundo: Abu Bakr al-Baghdadi está morto. Era o fundador e líder do grupo Estado Islâmico".
Donald Trump
Presidente dos Estados Unidos

Abu Bakr al-Baghdadi, o líder do Daesh, foi abatido este sábado. A notícia foi confirmada pelo presidente dos Estados Unidos. Donald Trump autorizou a operação das forças especiais na província de Idlib, no norte da Síria.

No último sábado, o Daesh foi alvo de uma operação secreta na província de Idlib, no norte da Síria, uma operação das forças especiais aprovada por Donald Trump.

Através do Twitter, o Presidente dos Estados Unidos já tinha dito que: "algo muito importante aconteceu!", mas sem acrescentar mais pormenores e a Casa Branca tinha anunciado uma comunicação importante a ser feita nas primeiras horas da manhã deste domingo.

Coube a Trump fazer a comunicação: as forças especiais norte-americanas conseguiram neutralizar o apelidado "xeque invisível".

O Presidente reforçou ainda o carácter secreto e perigoso desta missão. Nas palavras de Trump assistir a esta operação foi como se estivesse a "ver um filme".

"Ele morreu depois de se ter dirigido para um túnel sem saída, a choramingar, a chorar e a gritar durante todo o caminho e levou três filhos pequenos com ele - foram levados para a morte certa. Chegou ao fim do túnel enquanto os nossos cães o perseguiam e o derrubaram. Detonou o colete de explosivos, matando-se a si e aos seus três filhos. O corpo ficou mutilado pelas explosões e o túnel o cedeu, mas os resultados dos testes confirmaram a identificação exacta: era ele".
Donald Trump
Presidente dos Estados Unidos

Trump fez da luta contra o terrorismo a bandeira da sua administração e agradeceu a contribuição da Rússia, Turquia, Síria, do Iraque e também dos curdos para o sucesso desta operação que levou à morte de al-Baghdadi - líder do Daesh um dos líderes jihadistas mais esquivos que tinha a cabeça a prémio.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.