Última hora

Justiça belga vai julgar genocida do Ruanda

Justiça belga vai julgar genocida do Ruanda
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Após 25 anos de dúvida, dor, paciência, Martine Beckers vai assistir ao julgamento, na Bélgica, da pessoa responsável pelo assassinato da irmã, do cunhado e da sobrinha, durante o genocídio no Ruanda. O julgamento é um passo importante para o conhecimento da verdade, mas não é um fim em si mesmo.

"Eu espero, mas sem grande esperança, que a pessoa que teve o principal papel neste assassinato reconheça a sua culpa. Quero poder perceber. Espero, simplesmente justiça, afirma.

A vida de Martine mudou num domingo de Abril de 1994. Recebeu uma chamada de manhã a informá-la que a sua família, que vivia há 17 anos no Ruanda, estava morta. Claire, a irmã, tinha um negócio de gelados em Kigali. Isaías, o marido de Claire, era engenheiro civil e tinha decidido trabalhar com a esposa por medo. Finalmente Katia, com 18 anos, era uma jovem desportista. Os familiares de Martine não tiveram tempo para fugir.

Ela conta: "As milícias, chamadas Interahamwe, chegaram e assassinaram-nos. A minha irmã foi a primeira, com uma bala na cabeça.

Este é apenas o julgamento da pessoa que denunciou a família. Mas para Martine, a pessoa acusada não é a única responsável pela morte dos seus familiares. Ela também culpa os capacetes azuis da ONU, instalados a 500 metros da casa e ainda as autoridades belgas pela incapacidade de os proteger.

"A minha irmã tinha muito medo. Esperava que os soldados que estavam acantonados próximo da casa dela - os soldados belgas da MINUA, a força das Nações Unidas - viessem salvá-la; que a embaixada ou o consulado pudessem intervir para a proteger, mas eles não fizeram nada".

Segundo as Nações Unidas, entre abril e julho de 1994, 800 mil pessoas foram mortas no Ruanda, principalmente da etnia Tutsi.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.