Relatório aponta "grandes responsabilidades" da França no Ruanda

Access to the comments Comentários
De  euronews
Relatório aponta "grandes responsabilidades" da França no Ruanda
Direitos de autor  AP Photo

Uma comissão que passou quase dois anos a investigar o papel da França no genocídio dos Tutsis no Ruanda em 1994 concluiu que o país reagiu com lentidão ao evento que provocou a morte de mais de 800 mil pessoas.

O relatório aponta o dedo para o que designa como "as grandes responsabilidades" de França no genocídio que devastou a minoria étnica Tutsi do país.

No entanto, nas conclusões, o documento rejeita acusações de cumplicidade de França afirmando não existirem provas de qualquer intenção nos atos de genocídio cometidos no país.

A iniciativa do relatório remonta a 2019 partindo do presidente francês Emmanuel Macron que pretende esclarecer o papel da França nos acontecimentos ocorridos no Ruanda entre 1990 e 1994.

"As autoridades francesas seguiram políticas desligadas da realidade; políticas que mantinham o estigma da colonização, que ignoravam que o país podia ultrapassar a crise e essencialmente acentuaram a crise étnica, alinhando-se com o regime do presidente Habyarimana, que era um regime racista, e que não conseguiram afastar o presidente dos extremistas", afirma Vincent Duclert, presidente da Comissão de Historiadores Sobre o Papel de França no Ruanda.

"A França estava cega, ignorou todos os avisos, foi um grande problema, mas se considerarmos que existiu cumplicidade, isso significa essencialmente que toda a comunidade internacional foi complícita neste genocídio".

O presidente Macron espera que o relatório coloque um ponto final nas acusações que duram há mais de 25 anos.

"Estes termos de "responsabilidade acrescida", ou "falhanço", não novos. É bom que o discurso político inclua estes termos. Muda muito porque muitos negam os acontecimentos, em particular em França, devido à presença de alguns responsáveis e das suas famílias no país. Os políticos estão finalmente a levar estes termos a sério e isso é bom porque permite reduzir o sentimento de impunidade", defende Jessica Mwiza, vice-presidente da Associação Ibuka em França.

Na sexta-feira, o governo ruandês reagiu descrevendo o relatório como "um passo importante em direção a um entendimento comum relativamente ao papel de França no genocídio". 

O governo ruandês adiantou que nas próximas semanas será publicado um relatório investigativo sobre este tema.