A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Ruanda 25 anos depois do genocídio

Ruanda 25 anos depois do genocídio
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

"Juntos prosperamos" é o lema para as comemorações deste 4 de Julho, uma data em que os Ruandeses param e refletem.

Assinala-se hoje 25 anos após o massacre que ocorreu entre 7 de abril e 4 de julho de 1994, e que tirou a vida a pelo menos 800 Ruandeses.

O Ruanda assinala esta quarta feira o dia da sua libertação e a Euronews esteve a conversa com Paula Ingabire, para perceber que Rwanda temos hoje.

De acordo com Paula Ingabire Ministra da Tecnologia de informação, Comunicação e Inovação do Ruanda, os setores que mais contribuem para o Produto Interno Bruto do Ruanda é o da prestação de serviços seguido pelo setor da agricultura.

O Ruanda agregou no setor de prestação serviços as novas tecnologias o que possibilitou alavancar as trocas comerciais locais.

Já o diplomata Alfred Kalisa Embaixador do Ruanda em Angola, afirmou que hoje o Ruanda possui acordos de livre circulação com outros países, e de passaportes únicos, o que possibilita o livre comércio entre o Ruanda e o resto do continente.

Antes de ocupar a pasta de Ministra da Tecnologia de informação, Comunicação e Inovação do Ruanda, Paula Ingabire foi a chefe da iniciativa Kigali Inovation city que catapultou o desenvolvimento económico do Ruanda.

Paula Ingabire diz que o projeto Kigali Inovation City é uma iniciativa criada com o objetivo de consolidar e fortalecer o ecossistema inovador do Ruanda. O que se fez foi identificar quais as empresas tecnológicas que estão em Ruanda, capazes de alavancar o setor tecnológico, porque acreditaram que a inovação e a tecnologia são o motor do desenvolvimento económico.

Através da Kigali Inovation, o Ruanda pretende assumir-se como tendo um modelo funcional de desenvolvimento, onde as outras empresas poderão se referenciar antes de se expandir pelo continente".

No que toca a diplomacia interna e externa, para trás ficam os ressentimentos, que dão lugar a novos laços principalmente entre França e Ruanda como nos confirmou Alfred Kalisa, embaixador do Ruanda em Angola.

"É óbvio que a diplomacia entre o Ruanda e França têm alguns desafios, portanto com o novo regime do presidente Macron, observamos muitas melhorias a nível de gestão do passado. Nos acreditamos que estamos no caminho certo para restaurar uma boa relação política".

Hoje o Ruanda é referenciado como um país que serve de exemplo em África, pela eficácia comprovada das políticas implementadas.