Última hora

Edward Snowden: "Google e Facebook recolhem dados de forma abusiva"

Edward Snowden: "Google e Facebook recolhem dados de forma abusiva"
Direitos de autor
REUTERS / Rafael Marchante
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Edward Snowden foi a estrela na abertura desta edição da Web Summit. O antigo analista de sistemas dos serviços secretos americanos, agora exilado na Rússia, continua a denunciar os esquemas de espionagem e garante que as grandes empresas tecnológicas recolhem, todos os dias, dados sobre os cidadãos, de forma abusiva.

"Sim, estas pessoas estão a praticar um abuso, sobretudo se olharmos para o Google, a Amazon ou o Facebook. Mas o próprio modelo de negócios deles é um abuso. No entanto, tudo isso, segundo eles, é feito de forma legal", disse o denunciador.

Snowden considera a nova legislação europeia sobre a proteção de dados - GDPR - um bom primeiro passo para proteger a privacidade dos cidadãos. Mas diz também que parte de um pressuposto errado.

Vídeo integral da intervenção de Snowden na Web Summit

"O problema não é a proteção de dados, o problema é a recolha de dados. Regular a proteção e dados supõe, em primeiro lugar, que a recolha desses dados foi apropriada, não representa uma ameaça ou um perigo. Que não há problema em espiar toda a gente, todo o tempo, seja os clientes de uma empresa ou os cidadãos de um país, desde que não haja fugas", acrescentou Snowden.

A Web Summit decorre até ao dia 7. É a nona edição e quarta consecutiva a ter como palco a capital portuguesa. Um encontro onde se fala de tecnologia, mas também de política, até porque as duas coisas estão cada vez mais ligadas. Pelos palcos da Altice Arena e da FIL vão passar nomes como o antigo primeiro-ministro britânico Tony Blair ou os presidentes da Huawei e da Wikipédia.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.