Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

As novas regras europeias para a proteção de dados

As novas regras europeias para a proteção de dados
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Jan Albrecht é eurodeputado pelo grupo dos Verdes-Aliança Livre Europeia. É também vice-presidente do Comité para as Liberdade Civis, Justiça e Assuntos Internos.

Assumiu a responsabilidade de um projeto inovador a respeito da proteção de dados. Esperam-se novas medidas para proteger os cidadãos europeus no fim de maio.

As Regras de Proteção de Dados Gerais (GDPR, sigla em inglês) constituem a iniciativa do género mais importante em 20 anos na União Europeia. São definidas a forma como as grandes empresas recolhem, armazenam e utilizam dados pessoais.

Dados pessoais como nomes, fotografias, e-mails e conteúdo publicado nas redes sociais. Vai ser mais fácil para os utilizadores saberem que dados recolhem as empresas. Por outro lado, as empresas ficarão a saber de forma clara que dados podem recolher.

Estão previstas multas para as empresas que não cumpram com as regras - Até 4% dos lucros anuais da empresa, o que pode representar alguns milhões para as grandes multinacionais.

Resta saber se estas regras vão ser eficazes, eficazes e benéficas para os cidadãos europeus.

*EURONEWS* Jan Philipp Albrecht, obrigado por vir ao Global Conversation. A venda de dados pessoais é descrita como o petróleo do século XXI. Paga-se muito dinheiro por este produto. Concorda com estas ideias?

*JAN ALBRECHT* Eu diria que não é muito correto colocar ao mesmo nível dados pessoais e o petróleo, porque há diferenças. Há alguma verdade nisso, claro. Enquanto o petróleo perde poder no nosso modelo industrial, acontece o contrário no setor da recolha de dados. Há muitas inovações baseadas na exploração de dados. Podem ser ou não dados pessoais. Caso o sejam, há um impacto sobre a vida das pessoas.

*EURONEWS* Estas novas regras sobre a recolha de dados de que temos vindo a falar parecem uma medida positiva para todos nós. Mas a verdade é que é um projeto que enfrentou alguma resistência, não é verdade?

*JAN ALBRECHT* Sim, as pessoas têm opiniões muito fortes e há quem queira menos legislação a repeito. E há quem queira mesmo mais legislação. Penso que, afinal de contas, conseguimos que todos saíssem a ganhar. Criámos um elevado nível de confiança para os cidadãos a nível da economia digital e das tecnologias, um setor muito interessante. Mas que pode significar vários riscos. Por outro lado, criámos uma uniformização e regras comuns. Deixamos de ter 28 legislações diferentes sobre este tema. E criamos oportunidades para o uso de dados no futuro e isso é importante.

*EURONEWS* Pensemos então no utilizador médio europeu. Utiliza o telemóvel, o computador, vê os mails, vai às redes sociais, publica conteúdo e vê páginas digitais. Até agora, como eram utilizados estes dados?

*JAN ALBRECHT* De forma algo caótica. Havia tantas formas diferentes de regular o uso de dados pessoais, de regular a informação dada aos clientes, e os direitos deles. Já havia regras, claro. Já havia regulamentações desde há muitos anos, mas que foram ignoradas no dia a dia, especialmente online.

*EURONEWS* Mas pode dar-nos um exemplo de que como foram usados os nossos dados se, por exemplo, publicassemos algo nas redes sociais? E como vão ser diferentes as coisas, agora, com estas regras novas? Que novo tipo de proteção vamos receber?

*JAN ALBRECHT* O passo mais importante, para os consumidores, é que tem de haver mais transparência. Por isso, se for usado um dado pessoal de consumidor, é preciso que ele saiba que está a ser usado e para quê. Se vou dá-lo a uma terceira parte. É importante porque sem transparência, a pessoa não pode exercer direitos fundamentais, como acesso aos dados ou apagar os dados. E é preciso algum trabalho para explicar o que se faz atualmente com dados pessoais recolhidos.

*EURONEWS* Sabemos que o Facebook quer mudar as regras relativas aos dados pessoais. Não querem que os utilizadores fora da Europa não sejam abrangidos por estas novas regras europeias. O Facebook tem a sede europeia na Irlanda. Como se impede que as empresas tentem evitar estas novas regras?

*JAN ALBRECHT* Pelo menos, na União Europeia não podem escapar as essas regras. E se o Facebook diz que não têm de obedecer às regras na Argentina porque o país não é abrangido pelas regras da União Europeia, isso significa que as novas regras são aplicáveis com consequências. Por isso, vão-se embora para outros países. Mas ficaria surpreendido se os utilizadores argentinos ou dos Estados Unidos ouvissem, da parte do Facebook"vamos proteger a privacidade dos europeus, mas não a vossa". Não me parece que isso possa durar muito tempo.

*EURONEWS* Estas novas regras implicam exigências para as empresas, por exemplo, na necessidade de pedir o consentimento às pessoas. Mas isso não vai impedir o montante de dados que é recolhido, pois não?

*JAN ALBRECHT* É preciso ter a certeza de que não andam a recolher e a processar mais dados do que é realmente necessário.

*EURONEWS* Mas acha ou não que estas novas regras vão reduzir o montande de dados recolhidos?

*JAN ALBRECHT* Acho que vai haver um controlo mais eficaz para as pessoas, para cortar este fluxo de dados.

*EURONEWS* Muitas pessoas não prestam atenção às letras pequenas quando navegam na Internet. Querem apenas ver o que procuram e dão o ok. Quando quero ver qualquer coisa rapidamente, o que faço é dar o meu ok. Como superamos esse problema? As pessoas não lêm as letras pequenas e permitem tudo. Talvez os dados sejam usados de formas que as pessoas não querem.

*JAN ALBRECHT* O problema é que existe apenas um curto espaço de tempo durante o qual podemos e temos a possibilidade de intervir nesse problema.

*EURONEWS* As pessoas precisam de ser mais responsáveis?

*JAN ALBRECHT* Penso que sim. Não há lei que possa proteger as pessoa delas próprias. Por isso, se permito que consultem os meus dados, não me protejo. Posso proteger-me ao controlar que acede aos meus dados. É algo que devemos fazer. Devemos usar os nossos direitos.

*EURONEWS* Mas há o risco de que esta iniciativa possa prejudicar as economias europeias em termos de trabalhos e de negócio. Pode fazer com que as empresas se vão embora por causa destas regras tão estritas. É motivo de preocupação?

*JAN ALBRECHT* Não me parece. Muitas empresas empresas, sem ser o Facebook, claro, estão a pensar em ajustar as normas internas às normas europeias. Porque se estiverem de acordo com estas normas, não têm problemas no resto do mundo. Estamos a exportar o nosso modelo de privacidade e de proteção de dados. E as empresas que aderem a este modelo europeu beneficiam de vantagens ao vender os produtos delas como boas alternativas ao Facebook.

*EURONEWS* Mas estão a tornar a vida das pessoas mais burocrática. E custa muito dinheiro implementar estas novas regras, não é?

*JAN ALBRECHT* Para criar novas regras, especialmente se quiser harmonizar regras na União Europeia e substituir regras nacionais, há todo um processo de ajustamento.

*EURONEWS* Os últimos escândalos relacionados com a partilha de dados mostram o quão vulneráveis estão os cidadãos europeus. Porque não foram criadas estas regras anteriormente, porque puderam as empresas escapar sem problemas durante tanto tempo?

*JAN ALBRECHT* Sim, houve anos sem aplicação de regras no que diz respeito à proteção de dados. Havia problemas como o caso das autoridades irlandesas, muito permissivas. Por isso, as empresas mudaram-se para lá.

*EURONEWS* Mas porque deixou a União Europeia que as empresas se comportassem assim?

*JAN ALBRECHT* Porque existia apenas uma diretiva. E isso permitia que os diferentes Estados europeus adotassem a lei de forma diferente. E que fizessem com que fosse cumprida de forma diferente. Por isso, as empresas precisavam apenas de um departamento jurídico para descobrir ambiguidades legais. E pusemos termo a essa situação.

*EURONEWS* Olhando para o futuro, acha que outras regiões do Globo vão adotar estas normas? Penso nos Estados Unidos, por exemplo.

*JAN ALBRECHT* Penso que entre sessenta e oito e sessenta e nove por cento dos consumidores dos Estados Unidos pedem este tipo de leis. Há uma pressão enorme para que sejam introduzidas.

*EURONEWS* Mas existe vontade política?

*JAN ALBRECHT* Sim e existem várias propostas no Congeesso, pelo que os debates ainda não terminaram. Acabam de começar. Somos os primeiros a implementar normas definidas em todo o Globo.