Última hora

Leste da Austrália ameaçado por "inferno" de fogo

Leste da Austrália ameaçado por "inferno" de fogo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Mais incêndios, alerta e prontidão máxima. Milhões de pessoas preparam-se para um inferno de fogo em dois estados australianos. Sidney está no caminho das chamas que se prevê serem alimentadas por condições "catastróficas", de acordo com as autoridades - temperaturas muito elevadas, ambiente seco e ventos fortes.

Em Nova Gales do Sul, o número de incêndios eleva-se a mais de 70, dos quais 7 estão classificados como de emergência.

O comando de combate aos incêndios tem uma prioridade: as zonas urbanas.

"Estamos a concentrarmo-nos nas áreas urbanas, as franjas urbanas onde a zona rural se transforma em áreas citadinas, que é o que mais preocupa as pessoas. Todos os nossos bombeiros têm treinos reforçados de risco, preparados... preparados para se mobilizarem e responderem a alertas de novos incêndios", explica o comissário para os Incêndios e salvamentos da Nova Gales do Sul, Paul Baxter.

Pelo menos três mil bombeiros apoiados por 60 aeronaves enfrentam fogo numa franja de 1000 mil quilómetros na costa leste.

A grande preocupação são as vidas humanas. Pelo menos 3 pessoas morreram e há desaparecidos, mas espera-se o pior. 200 bombeiros ficaram feridos e mais de 200 habitações foram destruídas. As autoridades aconselham os cidadãos que não conseguiram fugir a encontrar abrigo.

A vida selvagem é a mais vulnerável. Na Nova Gales do Sul estima-se que 350 coalas morreram numa reserva. Muitos outros são recuperados no hospital de Coalas Port Macquarie.

"Os pequenos Coalas que entram aqui foram gravemente queimados e estão todos muito chamuscados. Por isso, em vez de terem aquela linda cor, estão castanhos com o pelo como que frito, tal como o cabelo humano queimado", afirma a presidente do hospital, Sue Ashton.

Naquela que é uma das piores épocas de incêndios em décadas num país habituado a fogos de verão, a Austrália tem em curso um aceso de debate sobre alterações climáticas.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.