Última hora

Sismo de 6,4 graus na Albânia faz pelo menos 16 mortos (em atualização)

Sismo de 6,4 graus na Albânia faz pelo menos 16 mortos (em atualização)
Tamanho do texto Aa Aa

Pelo menos 16 mortos e 600 feridos. É o novo balanço provisório do sismo desta madrugada na Albânia. A terra tremeu com uma intensidade de 6,4 graus na escala de Richter perto das 4 da manhã, hora local, menos uma hora em Lisboa.

Há notícia de uma centena de réplicas depois do sismo. Atividade que complica o trabalho das equipas de resgate. As operações tiveram de ser suspensas diversas vezes por questões de segurança.

Vários edifícios colapsaram. Militares, bombeiros, proteção civil e população local concentram esforços em encontrar sobreviventes. As operações de busca e resgate seguem os sinais de vida ou alerta de familiares. Várias pessoas estão dadas como desaparecidas

A cidade portuária de Durres, a cerca de 35 quilómetros da capital, Tirana, foi uma das mais afetadas. Está localizada apenas a 10 quilómetros do epicentro deste que foi o mais intenso sismo dos últimos 30 anos na Albânia.

As cidades de Kurbin e Thumane foram também severamente afetadas. Aliás, o presidente da Albânia, Ilir Meta, esteve em Thumane e classificou o cenário como "muito dramático".

Turquia e Itália vão enviar equipas para ajudar nas operações de busca e resgate.

A Albânia é o país mais pobre dos Balcãs e um dos mais pobres da Europa. Juntamente com a Macedónia do Norte, ficou à porta da União Europeia na última cimeira de chefes de Estado e de Governo, em Bruxelas. França foi o principal opositor da abertura do processo de adesão deste país báltico.

A Chefe da diplomacia europeia manifestou-se solidária com o povo albanês. Federica Mogherini diz que a União Europeia está pronta a oferecer assistência através do mecanismo de proteção civil.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.