É "tempo de agir": COP 25 começa em Espanha

Ministra chilena do Ambiente preside à COP 25, em Madrid
Ministra chilena do Ambiente preside à COP 25, em Madrid Direitos de autor REUTERS/Susana Vera
De  Teresa Bizarro com Lusa, Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Cimeira das Nações Unidas sobre as alterações climáticas começa com apelos a políticas mais sustentáveis

PUBLICIDADE

"Tempo de Agir" é o mote da Conferência das Nações Unidas para as alterações climáticas que faz de Madrid a capital do ambiente até 13 de dezembro. É a 25ª conferência das partes e leva o acrónimo de COP 25 que promete dominar as conversas nos próximos dias.

A cimeira sobre o clima estava inicialmente prevista para o Chile, mas a instabilidade política em território chileno obrigou a alterar o local da conveção. A presidência da conferência mantêm-se com a ministra chilena do Ambiente, que tomou posse esta segunda-feira.

50 líderes mundiais - entre os quais o primeir-ministro português - marcam presença em Espanha, numa demonstração externa de empenho em políticas mais sustentáveis, mas são esperadas delegações de 196 países.

António Guterres, o secretário-geral da ONU já antecipou o que se pretende: um aumento da "vontade política" na resposta ao que a comunidade científica pede na luta contra as alterações climáticas.

Para o Guterres "durante muitos séculos a espécie humana esteve em guerra com o planeta e o planeta está agora a contra-atacar": "Temos de parar a nossa guerra contra a natureza e a ciência diz que podemos fazê-lo", sublinhou.

Objetivo: cumprir o Acordo de Paris

As contribuições dos países para o Fundo Verde Climático de assistência aos países em desenvolvimento e a criação de um mecanismo de compensação às nações que sofram danos por causa de fenómenos climáticos extremos são alguns dos compromissos a que praticamente todos os países do mundo aderiram, mas que demoram a ser cumpridos quatro anos depois da assinatura do Acordo de Paris.

A conferência acontece a praticamente um mês da entrada em vigor do Acordo de Paris, marcada para 2020, ano em que os países signatários devem apresentar medidas concretas para limitar o aumento da temperatura global e estabelecer novas metas para conter as suas emissões de carbono.

Uma das questões centrais e que poderá obrigar a maratonas negociais é a criação de um mercado global de licenças de emissões carbónicas, que não existe e que atualmente é uma manta regional fragmentada de venda e troca de licenças para poluir.

Do lado da ciência, o sentido de emergência é claro: os mais recentes relatórios do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas apontam um cenário já irreversível de subida da temperatura global, subida dos níveis dos oceanos e uma cascata de efeitos combinados que significam catástrofes ambientais nas próximas décadas.

Para cumprir o objetivo definido em Paris em 2015, de limitar o aumento da temperatura global face aos níveis pré-industriais até 2100, será necessária uma redução anual de 7,6% das emissões de dióxido de carbono, segundo os últimos dados das Nações Unidas.

Em 2020, a COP26 está prevista para Glasgow, na Escócia.

A par da COP25, organizações não governamentais e da sociedade civil promovem uma agenda paralela de atividades, nas quais pontua a presença da ativista sueca Greta Thunberg, o rosto de um movimento mundial protagonizado por muitos estudantes - em greves às aulas pelo clima - de contestação e exigência de respostas aos líderes mundiais.

A ativista sueca partiu em 13 de novembro do porto norte-americano Salt Ponds, no Estado de Virgínia, num catamarã, prevendo chegar a Lisboa, a caminho de Madrid, na terça-feira.

Oxfam alerta para o aumento de "desalojados" pelas alterações climáticas

Os desastres climáticos tornaram-se a principal causa da deslocação de pessoas em todo o mundo na última década e forçaram mais de 20 milhões por ano a deixarem as suas casas, alertou hoje a organização não governamental internacional Oxfam.

A organização apresentou esta segunda-feira o relatório com o título 'Obrigados a deixar as suas casas', coincidindo com a Conferência das Nações Unidas sobre o Clima.

O documento da Oxfam adverte que atualmente é "três vezes mais provável que alguém seja forçado a deixar a sua casa por ciclones, inundações ou incêndios florestais do que por conflitos, e até sete vezes mais do que por terremotos ou erupções vulcânicas".

Segundo a ONG, que analisou dados de 2008 a 2018, a Espanha é o terceiro país da Europa, depois da República Checa e da Grécia, com maior risco de a sua população ser forçada a deslocar-se por desastres provocados pelo clima.

O diretor executivo interino da Oxfam International, José María Vera, disse que são as "pessoas mais pobres, dos países mais pobres, que pagam o preço mais alto".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Incêndio em prédio de 14 andares em Valência faz pelo menos quatro mortos

Dani Alves considerado culpado de violação de uma mulher numa discoteca em Espanha

Agricultores espanhóis em protesto invadem centro de Madrid com centenas de tratores