Última hora

"Breves de Bruxelas": Fraude eleitoral, 5G e armas automáticas

"Breves de Bruxelas": Fraude eleitoral, 5G e armas automáticas
Direitos de autor
REUTERS Bernadett Szabo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Viktor Orbán está no poder na Hungria desde 2010 e obteve maioria absoluta no terceiro mandato. As eleições de 2018 foram vistas à lupa por uma organização não-governamental, que alega que essa vitória poderia ter sido apenas por maioria simples, diminuindo em muito o seu poder.

A euronews pediu comentários ao partido Fidez, ao governo de Viktor Orbán e à Comissão Nacional de Eleições da Hungria, mas não obteve ainda respostas.

Nas notícias breves destacamos:

  • A União Europeia deve mitigar os riscos de segurança relacionados com as redes de telecomunicação 5G. O alerta consta das conclusões da reunião dos ministros com esta pasta, terça-feira, em Bruxelas. Vários Estados-membro são céticos sobre confiar no operador chinês Huawei, um dos mais avançados do mundo, para desenvover o setor.
  • O Tribunal de Justiça da União Europeia rejeitou um apelo interposto pela República Checa que defendia um maior acesso dos cidadãos às armas semi-automáticas. A legislação muito restritiva sobre posse e uso de armas, criada após os ataques terroristas de 2015, em Paris, continuará em vigor.
A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.