Última hora

Subida do nível das águas ameaça costa moçambicana

Subida do nível das águas ameaça costa moçambicana
Tamanho do texto Aa Aa

As alterações climáticas estão na ordem do dia e trazem a lume os erros cometidos pelo homem. Em Moçambique, o aumento do nível das águas do mar faz antever um novo drama e por responsabilidade também do homem que se foi aproximando do oceano.

O crescimento populacional e o desenvolvimento dos aglomerados habitacionais precipitou um desfecho agora inevitável, como aquele que se está a assistir no Bairro dos Pescadores da Costa do Sol, em Maputo.

Daniel Oliveira, coordenador técnico da organização Justiça Ambiental explica que a estrada marginal "era uma duna, que tinha de um lado o mar e do outro mangais" e que a pressão urbanística fez com que os mangais dessem lugar a construções.

Daniel Oliveira deixa um alerta: "Vamos ter sempre tempestades e cheias. O problema é que a magnitude está a aumentar, a frequência é maior e é cada vez menos previsível quando e como podem acontecer".

O homem foi construindo onde podia e onde não devia. Os mangais - que, e para além de muitas outras coisas, protegem a costa da erosão marítima e são uma barreira contra a força das águas, acabaram por ser sacrificados. As repercussões da intervenção humana são claras e inquietantes.

Um habitante, Jonas Paulo, de 44 anos, diz que "a água do mar respirava e agora já não consegue. (...) quando as marés crescem, às vezes, chegam às casas", acrescenta.

Bernardo Nhampule, outro morador, de 50 anos, teme as ondas gigantes e desabafa: "Já sofremos bastante, nós que moramos lá ao pé dos mangais, coisas que não tínhamos sofrido dantes".

Os mangais que deram lugar a casas e a estradas. As autoridades colocaram toneladas de blocos de pedra na praia, à entrada do bairro, para tentar impedir as ondas de avançarem mas com o início da época das chuvas as recordações da onda de destruição deixada pelo ciclone Idai voltam a ser reavivadas e a incerteza regressa a Moçambique um dos países que é, pela sua geografia e localização, um dos mais vulneráveis às alterações climáticas.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.