Voluntários salvam igrejas de madeira na Rússia

Voluntários salvam igrejas de madeira na Rússia
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O país tem cerca de 7,5 mil monumentos de arquitetura de madeira. A maioria tem mais de duzentos anos

PUBLICIDADE

Dezenas de voluntários estão a tentar salvar as igrejas de madeira do norte da Rússia. 

Na era soviética, muitas eram usadas pelo Estado como armazéns de cereais ou locais culturais e, por isso, eram mantidas em bom estado. Mas os templos estão cada vez mais destruídos apesar do estatuto de monumentos do património cultural. Os voluntários não têm formação em restauro. Apenas fazem trabalhos de emergência enquanto esperam que o governo tome conta da situação.

Theodosy Kuritsin, abade do Mosteiro Holy Dormition, em Oshevenskoye, destaca o estado de degradação destes edifícios.

“Algures entre os anos 70 e 80, os soviéticos deixaram de os usar. Não foram transferidos para a Igreja e não pertenciam a ninguém. E ao longo das últimas décadas toda esta devastação aconteceu. Entregam-nos edifícios dilapidados. O que fazemos com eles?".

Na Rússia, há cerca de 7,5 mil monumentos de arquitetura de madeira. A maioria tem mais de duzentos anos.

Alexander Saprykin é um dos voluntários que atualmente recuperam as igrejas.

“Se não fizermos nada, todas estas pequenas coisas - tudo isto vai desaparecer. E depois, ninguém será responsável. É por isso que existimos. Dizemos a brincar que somos os 'restauradores negros' porque fazemos o que mais ninguém quer fazer".

Em junho, o Ministério da Cultura adotou um programa para a Preservação da Arquitectura de Madeira. Os edifícios mais valiosos e em piores condições serão os primeiros a ser recuperados. 

Mas os especialistas alertam para a situação de emergência na maioria destas igrejas e acreditam que são precisas medidas mais concretas e mais investimento.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia declara correspondente da BBC de “agente estrangeiro”

Como a ucraniana Valeriia, de 17 anos, escapou a um campo de reeducação russo

Moldova denuncia esforços da Rússia para influenciar referendo sobre UE