EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

"Al-Shabaab não constrói, mas destrói", diz presidente da Somália sobre o ataque

AP Photo/Farah Abdi Warsame
AP Photo/Farah Abdi Warsame Direitos de autor AP Photo/Farah Abdi WarsameFarah Abdi Warsameh
Direitos de autor AP Photo/Farah Abdi Warsame
De  Ana Serapicos
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Embora nenhum grupo terrorista tenha reinvidicado o atentado que matou mais de 90 pessoas, o Chefe de Estado não tem dúvidas de que o carro-bomba tenha sido responsabilidade do grupo Jihadista

PUBLICIDADE

Depois do atentado que tirou a vida e 92 pessoas e feriu 125, na Somália, chegam palavras de esperança. O presidente do país, Mohamed Abdullahi Mohamed, prometeu uma recuperação rápida e, embora nenhum grupo terrorista tenha reinvidicado o ataque, o Chefe de Estado não tem dúvidas de que o carro-bomba tenha sido responsabilidade do grupo Jihadista al-Shabaab.

Ao país, Mohamed Abdullahi acusou o grupo terrorista de destruição e de sabotar o futuro da Somália.

"Al-Shabab não constrói, mas destrói, não constrói escolas, não constrói instalações de saúde, não alimenta as pessoas, não alimenta o futuro das crianças, nasceu para sabotar o desenvolvimento de todos, matar as nossas crianças e manchar todo o futuro deste país.", disse o presidente em comunicado televisivo. 

euronews
Mohamed Abdullahi Mohamedeuronews

A bomba, inserida num carro, explodiu numa movimentada estrada que liga a capital Mogadíscio à localidade de Afgoye. Entre as vítimas estão vários estudantes universitários. 

A capital sofre frequentemente ataques reivindicados pelo grupo al-Shabaab, uma organização terrorista que se filiou em 2012 na al-Qaeda e que controla parte do centro e do sul do país.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Atentado na capital da Somália faz dezenas mortos

Ataque do grupo Al-Shabab a um hotel no sul da Somália

EUA atacam posições do grupo Al-Shabab na Somália