EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Governo francês admite ceder na reforma do sistema de pensões

Governo francês admite ceder na reforma do sistema de pensões
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O primeiro-ministro, Edouard Phillipe admitiu recuar na idade mínima de 64 anos, uma concessão exigida pela intersindical CFDT, a principal do país.

PUBLICIDADE

A maratona de protestos e greves contra a reforma do sistema de pensões em França estará à beira do fim. O governo mostrou abertura para rever o projeto, em particular a idade mínima de reforma por inteiro.

O primeiro-ministro Edouard Philippe admitiu recuar na idade mínima de 64 anos, uma concessão exigida pela intersindical CFDT, a principal do país.

O chefe do executivo diz que "existem muitas reuniões planeadas para falar sobre penosidade, reforma faseada, emprego de seniores nos setores público e privado para ter em conta o número de propostas do projeto-lhe e que permita a criação de um sistema universal de pensões".

Mas há quem veja o governo com mais desconfiança, como a CGT, que pretende maiores contribuições patronais para criar um sistema equilibrado.

"A partir do momento em que o primeiro-ministro e toda a associação patronal repetem que está fora de questão aumentar as contribuições sociais, isto leva a trabalhar mais tempo, ou seja, ir para uma idade pivot com um desconto antes dos 64 anos e ter amanhã pensões mas baixas para todos os trabalhadores", explica Catherine Perret.

Depois de mais de um mês greves e protestos nas ruas de França, o braço-de-ferro entre trabalhadores e governo entra numa fase decisiva com uma greve geral convocada para quinta-feira e novas manifestações agendadas para sábado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Sindicatos franceses mantêm greves

Greves nos transportes abalam Natal em França

Festa das Luzes ofuscada por greves em vários setores