Última hora
This content is not available in your region

Iranianos não temem novas sanções

Iranianos não temem novas sanções
Direitos de autor
AP
Tamanho do texto Aa Aa

Os iranianos não temem o impacto das novas sanções impostas pelos Estados Unidos. O Secretário norte-americano do Tesouro definiu os alvos: oito funcionários do governo e as vinte maiores empresas de transformação de alumínio, ferro e cobre. É a nova fase da chamada operação de máxima pressão, que os Estados Unidos iniciaram em Maio de 2018. Nas ruas de Teerão, a notícia foi recebida sem sobressaltos.

A pressão económica aumentou nos últimos dois anos porque eles querem que as pessoas se rendam.
iraniano, ouvido na rua pelo repórter da Euronews

Os Estados Unidos não esconderam as motivações: queriam obrigar o Irão a voltar à mesa das negociações. Quase dois anos depois, o objetivo continua por cumprir.

Mostafa Omid Ghaemi, especialista em mercados, explica que "são chamadas de sanções cegas. Alguns setores de produção estavam sujeitos a sanções; agora são empresas. Será difícil ter resultados destas sanções."

Analistas iranianos acreditam que o maior problema para a economia iraniana é a corrupção.

O economista Saeid Leylaz diz compreender "porque é que os americanos se focaram no setor metalúrgico do Irão. A produção aumentou nos últimos 20 meses e as exportações dispararam, criando muitos empregos. É natural que queiram controlar este setor". Mas também acrescenta que as sanções tiveram um efeito contrário. "Se o Irão exportar e importar apenas para os países vizinhos pode tornar as sanções ineficientes. A diferença entre incompetência, corrupção e sanções não está definida e isso é um problema para a economia iraniana", afirma. Para este economiasta, está feito o diagnóstico: As sanções dos EUA obrigaram o governo a alterar os procedimentos e criar novas rotas comerciais, que Teerão anuncia como mais eficientes.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.