Última hora
This content is not available in your region

Causas da explosão em Tarragona por apurar

Imagem captada por drone das autoridades catalãs
Imagem captada por drone das autoridades catalãs   -  
Direitos de autor
Mossos d'esquadra
Tamanho do texto Aa Aa

Estão abertas várias frentes de investigação para apurar o que aconteceu em Tarragona. A polícia catalã recebeu mais de 1600 pedidos de apoio depois da explosão e incêndio no complexo petroquímico IQOXE, em Espanha. Os Mossos d'Esquadra divulgaram esta quinta-feira imagens do local do acidente e das imediações.

A fábrica da Catalunha é o único produtor ibérico de óxido de etileno, uma substância altamente inflamável, que pode ser utilizada no fabrico de detergentes ou matérias plásticas.

As explicações da empresa são escassas, mas pelo que foi dito publicamente a explosão ocorreu "num dos depósitos mais pequenos" da petroquímica.

Sabe-se agora que a empresa já tinha recebido quatro sanções por incumprimento de condições de segurança por parte da Inspeção de Trabalho espanhola.

Três pessoas morreram; há vários feridos - um em estado grave.

Os destroços espalharam-se num raio de cinco quilómetros. Várias objetos de metal foram encontradas nas imediações. Uma peça de metal com 800 quilos voou mais de quatro quilómetros até este prédio no bairro de Torreforta.

Entrou por uma janela e destruiu dois pisos de um prédio, causando uma vítima mortal - um homem Um residente do bairro estava na rua quando viu um objeto voar em direção ao edifício. "Estávamos à porta de casa, junto ao parque de estacionamento e sentimos a explosão. Mais ou menos um minuto depois vimos uma coisa que parecia um helicóptero. Passou por cima das nossas cabeças. Ia em linha recta, mas depois virou," explica.

No bairro, o assunto é tema de todas as conversas. As contas aos danos materiais provocados pela explosão estão ainda por fazer. Habitações, edificíos públicos e comerciais foram afetados.

Esta quinta-feira foi feito um minuto de silêncio em Tarragona, em memória das vítimas da explosão.

A província é sede de grande parte da produção de químicos em Espanha. Segundo os sindicatos, este acidente não é um caso isolado e a falta de garantias de segurança das empresas petroquímicas deve ser um fator de preocupação para trabalhadores e população.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.