Última hora
This content is not available in your region

Turismo desenfreado ameaça o futuro de Machu Picchu

euronews_icons_loading
Turismo desenfreado ameaça o futuro de Machu Picchu
Direitos de autor  Euronews (video printscreen)
Tamanho do texto Aa Aa

Património da humanidade, o santuário Inca de Machu Picchu, no Peru, é há muito uma das maiores atrações do mundo.

Erguido há 600 anos, Machu Picchu vê agora as suas ruínas ficarem cada vez mais frágeis com a chegada daqueles que querem descobrir todos os seus segredos.

Ponto de paragem obrigatório para arqueólogos e cientistas, a antiga cidade Inca recebe também por ano mais de dois milhões de turistas. Apesar dos elevados preços de entrada e das restrições aos visitantes, que não podem, por exemplo, entrar com comida ou chapéus de chuva no complexo, o santuário está já a sofrer as consequências da procura desenfreada.

Esta sismóloga veio estudar o local e alerta para os riscos que Machu Picchu enfrenta."Na época, havia cerca de 20-24 no local, ou até 100. Há dez anos já havia 400 turistas e agora temos 1000 por hora. Podemos imaginar que os pés dos turistas numa parte do santuário causam um determinado efeito. E podemos avaliar a estabilidade do local perante a invasão turística", afirma.

Com quase 1000 turistas a entrarem por hora na antiga cidade Inca, sucedem-se os incidentes e os registos de danos no património.

Já em janeiro, as autoridades peruanas decidiram deportar cinco turistas e avançar com uma queixa judicial contra um sexto visitante por se terem escondido no complexo e passado a noite no local, tendo causado estragos nas ruínas.

"Há turistas que fazem acrobacias ou que querem fotografar-se nus. Há muita gente louca", conta um dos seguranças do complexo.

As Nações Unidas já avisaram o Peru para as consequências da desflorestação, possíveis deslizamentos de terra e o desenvolvimento urbano sem controlo em torno de Machu Picchu.

Por um lado, as receitas do turismo financiam a preservação do santuário. Por outro, a pressão turística põe em risco a defesa das tradições locais.

"Este é um lugar sagrado para adorar as várias divindades dos nossos antepassados, para adorar a mãe terra, o sol, a lua ou as estrelas", refere um residente da cidade de Águas Calientes, o último ponto antes da chegada ao antigo santuário inca.

E é nesse difícil equilíbrio que se joga o futuro de Machu Picchu.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.