EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Orçamento plurianual da UE rejeitado

Orçamento plurianual da UE rejeitado
Direitos de autor AP
Direitos de autor AP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Um grupo de 17 Estados-membros, onde se inclui Portugal e Itália, rejeita cortes nas políticas de coesão e querem a máxima dotação orçamental possível de modo a que a União Europeia consiga fazer face aos novos desafios.

PUBLICIDADE

Os líderes dos 27 Estados-membros não chegaram a acordo sobre o orçamento plurianual da União Europeia para 2021-2027.

No final do Conselho Europeu extraordinário, em Bruxelas, Angela Merkel referiu que a questão ainda não está encerrada.

"Teremos de voltar ao tema, enquanto não estiver claro. O presidente do Conselho Europeu decidirá quando."

O resultado da cimeira de quase dois dias fez sobressair a divergência de interesses entre os 27 Estados-membros da União.

A proposta apresentada na sexta-feira foi incapaz de reunir consenso. Prevaleceram as divisões acerca do montante global do orçamento e as prioridades que devem ser assumidas. Em causa está o buraco de cerca de 75 mil milhões de euros decorrente da saída do Reino Unido do bloco.

"Penso que temos uma posição muito razoável juntamente com outros países, como a Suécia, Dinamarca e Áustria. Estamos dispostos a pagar mais porque estamos a aceitar que o orçamento subirá com o crescimento económico e com a inflação. O facto de a Grã-Bretanha ter saído, e todos odiarmos isso - pelo menos eu odeio, mas agora é um facto - tem de se refletir no orçamento", referiu o primeiro-ministro dos Países Baixos, Mark Rutte.

Um grupo de 17 Estados-membros, onde se inclui Portugal e Itália, rejeita cortes nas políticas de coesão e querem a máxima dotação orçamental possível de modo a que a União Europeia consiga fazer face aos novos desafios, como referiu o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte.

"Se queremos ter uma Europa mais ambiciosa, mais verde e mais digital, se queremos mais investimento, mais crescimento, mais emprego, se queremos que a Europa ofereça subsídios muito necessários ao problemático setor agrícola... Por isso, precisamos de fornecer todos os meios financeiros necessários para atingir estes objetivos. É por isso que ainda não chegámos a um acordo".

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, tem agora de marcar a data para uma nova cimeira. O tempo urge, pois todas as etapas técnicas têm de estar concluídas até ao final do ano, caso contrário, em 2021 não haverá orçamento.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eurodeputados querem clareza quanto aos novos recursos próprios da UE

Responsável pelo orçamento europeu quer acordo em julho

Von der Leyen debateu com rivais sobre orçamento da UE e comércio com China