Última hora
This content is not available in your region

Doze mil anos de história vão ficar submersos na Turquia

euronews_icons_loading
Doze mil anos de história vão ficar submersos na Turquia
Direitos de autor  France Télévisions
Tamanho do texto Aa Aa

Doze mil anos de história estão prestes a desaparecer no sudeste da Turquia. Uma das cidades mais antigas do mundo vai ficar completamente submersa quando estiver concluída a construção de uma barragem hidroelétrica. O nível da água já começou a subir e os habitantes tiveram de ser realojados na outra margem.

Ekrem Yilmaz, comerciante vai, ter de mudar-se para outro sítio, para poder sustentar os seus oito filhos: "Eu fico o máximo de tempo que conseguir, mas quando a água chegar aqui, não terei escolha. Não poderei ficar mais tempo".

As águas vão inundar um sítio arqueológico composto por quatro mil cavernas, visitado por milhares de turistas, e também quase duzentas aldeias.

Os três mil habitantes de Hasankeyf foram realojados numa colina na outra margem. A nova cidade é composta por 760 casas idênticas e 200 apartamentos. Foram também construídos um hospital, uma escola, uma mesquita, um centro comercial e um museu.

Ahmet Akdeniz, antigo comerciante, foi um dos maiores opositores à barragem, mas acabou por se conformar com o dinheiro que lhe foi oferecido pela sua loja e pela casa, tendo com ele comprado uma nova propriedade. "Quando a barragem estiver cheia, vai impulsionar o turismo. As pessoas vão andar de barco. Até dizem que vão construir um teleférico para ligar as duas margens", diz Akdeniz.

Mas há famílias na cidade antiga que ainda estão à espera de casa. Nilufer Ilider tinha ido procurar emprego noutras paragens e quando regressou a Hasankayef as listas para o realojamento já tinham sido elaboradas. "O que querem que nós façamos? Pedimos ajuda às autoridades, mas ninguém nos ajuda. Por isso, vamos voltar a viver lá em cima, nas cavernas, como os nossos antepassados", afirma Ilider.

Nesta região da Turquia vivem sobretudo curdos.

Investidores ocidentais saíram do projeto depois de ter sido contestado pelo público e por especialistas ambientais.