Última hora
This content is not available in your region

Milhares de refugiados sírios fogem de Idlib

euronews_icons_loading
Milhares de refugiados sírios fogem de Idlib
Direitos de autor  AP
Tamanho do texto Aa Aa

Continuam os ataques às posições dos rebeldes na província de Idlib, na Síria.

Após nove anos de guerra, as forças do Presidente sírio, Bashar al-Assad, apoiadas pela Rússia, não mostram sinais de ceder na missão de recuperar o território.

Mas não são apenas os rebeldes que são atingidos. As tensões aumentaram, este fim de semana, quando mais um soldado turco foi morto num ataque das forças de Assad.

O que desencadeou um conjunto de retaliações contra alvos do regime - retaliações bem vindas pelos rebeldes mas que deterioram grandemente a já muito difícil situação dos civis.

Milhares de refugiados estão a fugir para salvar a vida. Mais de 900.000 homens, mulheres e crianças fogem para o norte, em direção à fronteira entre a Síria e a Turquia

"Esta casa é a décima de onde sou obrigado a sair. Mal nos instalamos, passados um ou dois meses, o bombardeio começa e fugimos, novamente, para outra área. Hoje, mais uma vez, temos de nos mudar. Só Deus sabe onde vamos acabar a seguir," afirma um cidadão sírio.

A maioria dos que fogem de Idlib está a ir para a Turquia mas a fronteira está fechada. Ancara já abriga 3,7 milhões de refugiados sírios e diz que não pode lidar com outra onda de refugiados.

As Nações Unidas alertaram que as operações de combate podem "terminar em banho de sangue" e pediram um cessar-fogo. As tentativas do Conselho de Segurança na semana passada falharam.

Um pai, desesperado, fez uma escada metálica para ajudar as crianças a atravessar o muro da fronteira com a Turquia, caso as forças do regime avancem.

"Não escolhi ir para a Turquia. Para mim, a Síria é mais preciosa do que todo o dinheiro e todos os países do mundo; mas preciso de dormir e de abrigo. Estamos a morar numa barraca mas preciso de um abrigo para mim e para os meus filhos. Tenho de os manter aquecidos, protegidos do frio," revela o pèai sírio.

Logo após a notícia da mais recente baixa turca, o presidente Recep Tayyip Erdoğan anunciou que se vai encontrar com líderes russos, franceses e alemães no próximo mês para discutir a situação em Idlib.

As agências de ajuda humanitária fazem o possível para abrigar os milhares de refugiados. Debaixo de temperaturas congelantes, a maioria está a dormir em tendas, perto da fronteira com a Turquia, enquanto aguardam por uma luz ao fundo do túnel.