Última hora
This content is not available in your region

Autoridades italianas minimizam riscos para turistas

euronews_icons_loading
Autoridades italianas minimizam riscos para turistas
Direitos de autor  .
Tamanho do texto Aa Aa

As autoridades italianas já apelaram aos turistas para não cancelarem as visitas ao país.

Isto apesar de um aumento acentuado no número de casos de infeção pelo novo coronavírus.

Estão confirmados pelo menos 800 casos e 21 vítimas mortais.

Mesmo assim, há quem não esteja muito preocupado.

"Sou da Polónia e sinto-me segura. Sei que não há muitas pessoas agora mas está tudo bem. Fomos de Turim para milão e amanhã seguimos para Bergamo", Ivon Wor, turista originária da Polónia.

"Não fazia ideia que o vírus já havia aqui chegado. Foi só quando cheguei que as pessoas me falaram sobre isso, não estou com medo", diz outra turista, Meghan Blake, que se deslocou dos Estados Unidos.

Na Alemanha, o primeiro indivíduo a contrair o vírus foi um médico que trabalhava no departamento pediátrico do centro médico universitário em Hamburgo.

Cerca de meia centena de pacientes foram isolados mas não foram detetados casos de infeção.

"O médico regressou de férias na região de Trentino em Itália, a qual não se encontra numa área de risco de acordo com a definição corrente. Ele regressou ao trabalho na segunda-feira, sentiu-se saudável, trabalhou por dia e meio e foi depois que sentiu sintomas da doença", adiantou Cornelia Prüfer-Storcks, responsável pela saúde e proteção dos consumidores em Hamburgo.

A nível global foram confirmados mais de 83 mil casos de infeção, a maioria na China.

Na Europa o número de infetados ultrapassou os oitocentos e há a lamentar pelo menos três dezenas de mortos.

Entretanto, em França, as autoridades anunciaram que na base aérea de Creil, a nordeste de Paris, oito pessoas foram diagnosticadas com o Covid-19.

As autoridades francesas implementaram de imediato novas medidas para evitar o mesmo cenário de Itália.