Última hora
This content is not available in your region

"O COVID-19 é um novo vírus ao qual ninguém tem imunidade", diz OMS

euronews_icons_loading
"O COVID-19 é um novo vírus ao qual ninguém tem imunidade", diz OMS
Direitos de autor  ap
Tamanho do texto Aa Aa

Um hospital militar em Milão está a ser preparado para receber cerca de 60 pacientes infetados com coronavírus, numa altura em que o governo italiano aumenta a pressão nas medidas contra a propagação do novo COVID-19.

Itália é o país da Europa com mais pessoas infetadas, cerca de 2500, com 79 mortes no total. Além das onze regiões de quarentena, está a ser considerada uma outra perto da cidade de Bergamo, depois do surgimento de mais casos.

No país vizinho, França, 120 escolas foram encerradas na região da Bretanha e na região de Oise, de onde a maioria dos casos se situa.

A medida, tomada pelo governo de Macron, faz parte do plano de contenção que o presidente francês quer impôr contra o vírus. O governo assegurou também o stock de máscaras de proteção.

"Todos devemos estar cientes de que somos e seremos mobilizados a longo prazo. Mas estamos prontos e sei que teremos forças para enfrentar este desafio", disse Macron aos jornalistas, durante uma visita a um centro médico.

Já o diretor da Organização Mundial da Saúde realçou que o vírus não é como gripe.

"Enquanto muitas pessoas em todo o mundo construíram imunidade a certas doenças sazonais de gripe, o COVID-19 é um novo vírus ao qual ninguém tem imunidade. Isso significa que mais pessoas são suscetíveis à infecção", disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, Diretor-Geral da OMS.

Uma suscetibilidade que chega a todo o lado. Do Irão, o quarto país do mundo com mais casos positivos (2336), chega agora a notícia de que 10% dos deputados poderão estar também infetados pelo covid-19.

O governo decidiu libertar 54 mil prisioneiros sob fiança para evitar uma contaminação em massa. Todas as pessoas foram testadas antes de serem libertadas.

Nos EUA, em plena corrida democrata às presidenciais, Donald Trump continua a fazer pressão aos laboratórios para a criação de uma vacina contra o COVID-19.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.