Última hora
This content is not available in your region

"É preciso dissociar crescimento económico e extração de recursos"

euronews_icons_loading
"É preciso dissociar crescimento económico e extração de recursos"
Direitos de autor  euronews
Tamanho do texto Aa Aa

O Comissário Europeu para o Ambiente, os Oceanos e a Pesca, Virginijus Sinkevičius, lançou a Coligação Mundial para a Biodiversidade, durante a comemoração do Dia Internacional da Vida Selvagem, no Mónaco. A euronews falou com o antigo ministro da Economia e da Inovação da Lituânia sobre as prioridades da Comissão Europeia no domínio do ambiente e da proteção da biodiversidade.

Euronews: "Pode falar-nos da coligação mundial para a biodiversidade? Que papel desempenha na política ambiental da União Europeia?"

Virginijus Sinkevičius: "Penso que fomos extremamente bem-sucedidos, nos últimos anos, com uma campanha semelhante sobre o lixo marinho e a poluição causada pelos plásticos, nos oceanos. Este ano, centramo-nos na biodiversidade. Temos de tomar consciência do problema da perda da biodiversidade. A ciência é muito clara: das 8 milhões de espécies avaliadas, um milhão está em vias de extinção.

É preciso limitar a perda da biodiversidade causada pelas atividades humanas
Virginijus Sinkevičius
Comissário Europeu para o Ambiente, os Oceanos e a Pesca

Virginijus Sinkevičius: "É preciso limitar a perda da biodiversidade causada pelas atividades humanas. A melhor ferramenta é termos uma sociedade mobilizada, que apoia certas decisões, o que nos permitirá participar num encontro em outubro em Kunming, na China, para chegar a um acordo global como o acordo de Paris de 2016. O último Eurobarómetro mostra que 94% dos europeus preocupam-se com a proteção ambiental. É um sinal claro para que haja uma ação política. Orgulho-me pelo facto de a nova Comissão Europeia ter começado o mandato com a apresentação do Pacto Ecológico Europeu".

Euronews: "Após as mobilizações sociais do ano passado, incluindo as "sextas-feiras pelo futuro", a crise climática passou a estar no centro das atenções. Será que agora devemos dar a prioridade à biodiversidade?"

Virginijus Sinkevičius: "Não precisamos de mudar as prioridades. Todos devem estar conscientes da importância das alterações climáticas. Estou satisfeito por termos chegamos a um ponto em que se colocarmos a pergunta a qualquer pessoa na rua, ela saberá explicar as alterações climáticas. É preciso a mesma tomada de consciência em relação à biodiversidade. Quando analisamos o problema das alterações climáticas e do aquecimento global, vemos que um terço da solução depende da existência de um ecossistema saudável em termos de biodiversidade. Precisamos de oceanos, mares, terras, e florestas saudáveis.​​ Tudo o que existe à nossa volta é biodiversidade. As espécies que mantêm o equílibrio da natureza garantem também que teremos comida na nossa mesa".

Seria muito estranho se, por um lado, aumentássemos o orçamento para a proteção da biodiversidade, e, por outro lado, financiássemos atividades que levam à perda da biodiversidade
Virginijus Sinkevičius
Comissário Europeu para o Ambiente, os Oceanos e a Pesca

Euronews: "A União Europeia afirma que o Pacto Ecológico Europeu é uma prioridade. A proteção dos oceanos faz parte do projeto?"

Virginijus Sinkevičius: "Sim. Parte do meu trabalho é tornar este acordo 'verde' mais 'azul'. Ao nível da biodiversidade, não nos podemos limitar à proteção das espécies, da terra, do solo e da floresta. Temos também de proteger os oceanos. É fundamental que este ano consigamos um acordo global sobre a proteção dos oceanos, algo que hoje não está a ser totalmente feito".

Euronews: "No âmbito das negociações sobre o orçamento europeu há quem exija mais ações climáticas. Quais são as suas expectativas e prioridades em relação ao quadro financeiro plurianual?"

Virginijus Sinkevičius: "Antes de mais, a Comissão gostaria que houvesse um acordo. Um atraso na conclusão do acordo seria, provavelmente, o pior resultado. Em segundo lugar, se queremos reforçar a proteção da biodiversidade, é preciso financiar o Pacto Ecológico Europeu. Constato com satisfação que os países perceberam a mensagem, mas o mais importante é a parte dos subsídios. São subsídios e pagamentos que vêm diretamente do orçamento da União Europeia. Os diferentes apoios financeiros têm de respeitar o pacto Ecológico Europeu e não podem levar ao aumento a perda de biodiversidade ou agravar as alterações climáticas. Temos de garantir que certas atividades não prejudicam o ambiente. Seria muito estranho se, por um lado, aumentássemos o orçamento para a proteção da biodiversidade, e, por outro lado, financiássemos atividades que levam à perda da biodiversidade".

Euronews: "Falou nos desafios que é preciso enfrentar este ano. No âmbito do Brexit, em que ponto estamos em relação à pesca? Trata-se de um dos grandes desafios para a União Europeia este ano?"

Virginijus Sinkevičius:"As negociações começaram há pouco. Estamos prontos para o diálogo. O importante é conseguirmos chegar a um resultado satisfatório para toda a gente e participar nas negociações com vontade de encontrar um acordo. Em relação ao acordo da pesca temos um prazo bastante curto. Vamos a isso. Nós estamos prontos. Conheço o ponto de vista britânico. Iremos trabalhar incansavelmente para obter o melhor acordo possível".

Se conseguirmos dissociar crescimento económico e extração de recursos, podemos ser capazes de travar a perda de biodiversidade
Virginijus Sinkevičius
Comissário Europeu para o Ambiente, os Oceanos e a Pesca

Euronews: "Foi ministro da Economia e da Inovação na Lituânia. Como é que essa experiência influencia o seu trabalho como Comissário Europeu para o Ambiente, os Oceanos e a Pesca?"

Virginijus Sinkevičius: "Uma das principais iniciativas que vamos anunciar no dia 11 de março é o plano de ação para a economia circular. Contém vários elementos, de um conjunto de regras sobre a produção e o direito de reparação dos produtos, ao papel que as empresas e PME têm de desempenhar. Se formos bem sucedidos na implementação da economia circular e na alteração das atividades económicas atuais e se conseguirmos dissociar crescimento económico e extração de recursos, podemos ser capazes de travar a perda de biodiversidade. Essa perda está ligada, principalmente, à extração de recursos, que exerce uma enorme pressão sobre o meio ambiente".

Euronews: "Há também a questão da transição quando se trata de lançar novas políticas. O que pensa sobre isso?"

Virginijus Sinkevičius: "É um aspeto muito importante. A Comissão disse, desde o início, que ninguém pode ficar para trás. É importante sublinhar que o Pacto Ecológico Europeu é uma estratégia de crescimento. O que significa que temos de manter as nossas ambições e ajudar os que estão mais atrasados. O Pacto Ecológico Europeu só poderá ser bem-sucedido se incluir toda a gente".

Euronews: "A pergunta final. Tenho mesmo de fazê-la! É o comissário europeu mais jovem. Isso influencia as suas políticas?"

Virginijus Sinkevičius: "Tenho uma grande disponibilidade para comunicar com todos os cidadãos europeus. O meu papel é chamar a atenção para o problema e propor soluções".