Última hora
This content is not available in your region

Países europeus "isolam-se" por causa da Covid-19

euronews_icons_loading
Itália é país com a contaminação mais grave fora da China
Itália é país com a contaminação mais grave fora da China   -   Direitos de autor  Cecilia Fabiano/LaPresse via AP
Tamanho do texto Aa Aa

Com o número de mortos relacionados com o surto de Covid-19 a ser já maior fora da China, Itália destaca-se agora como o novo epicentro de maior gravidade da pandemia.

A "bota" transalpina soma quase 25 mil casos de infeção e as mais de 1800 mortes sofridas com ligação ao novo coronavírus representam quase um terço das fatalidades a nível mundial.

Itália está em quarentena a nível nacional e o Governo trabalha em contrarrelógio contra o Covid-19.

Em Espanha, o governo de Pedro Sanchez determinou o estado de emergência por 15 dias e impôs um recolher obrigatório a partir desta segunda-feira.

Viajar em Espanha só em caso de emergência e as fronteiras foram fechadas aos turistas, numa medida também replicada nas fronteiras terrestres em Portugal, onde ainda não há mortes, mas os casos de infeção já ultrapassam os 330.

Em França, o governo decidiu limitar tanto quanto possível o convívio social e ordenou sábado à noite o encerramento de todos os estabelecimentos comerciais considerados não essenciais como bares e restaurantes.

O presidente Emmanuel Macron prometeu para esta segunda-feira à noite um ponto da situação num país já com cerca de 5.500 casos de infeção e 130 mortos relacionados com a pandemia.

A Alemanha, por fim, com mais de 5.800 casos de infeção e uma dezena de mortos, fechou esta segunda-feira as fronteiras terrestres com França, Áustria e Suíça.

Para terça-feira está prevista uma reunião extraordinário de líderes da União Europeia, por videoconferência, para os "27" decidirem os próximos passos na luta contra o surto de Covid-19.

Uma das novas medidas a sair deste Conselho Europeu poderá ser o fecho das fronteiras externas, proposto esta segunda-feira pela presidente da Comissão Europeia.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.