Parisienses não cumprem isolamento e invadem zonas costeiras

Parisienses não cumprem isolamento e invadem zonas costeiras
Direitos de autor AFP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Até parece que as férias de verão chegaram mais cedo à ilha de Ré, em França. Centenas de parisienses viajaram para este destino turístico, onde muitos têm segundas habitações. Mas o país está em isolamento obrigatório devido à pandemia.

PUBLICIDADE

Até parece que as férias de verão chegaram mais cedo à ilha de Ré, em França. Centenas de parisienses viajaram para este destino turístico, onde muitos têm segundas habitações. Mas o país está em isolamento obrigatório devido à pandemia.

"Não estamos de férias. Estamos em confinamento. E se as pessoas vêm para as segundas habitações, então estão confinadas. Não fazem nada. Esta é a mensagem que queríamos passar, ao sermos um pouco restritivos em relação às praias e ciclovias", sublinha o autarca de La Couarde-sur-Mer, Patrick Rayon.

Na ilha de Ré, como noutros pontos da costa francesa, as autoridades tiveram de interditar as praias, devido à afluência digna de um mês de julho.

"Foram forçados a encerrar as praias, para que as pessoas não fossem para lá. Fecharam as ciclovias, para que as pessoas não andassem por aí, de bicicleta, como se estivessem de férias. E nós estamos a sofrer com isso, também", afirma a proprietária de uma loja. 

Nas redes sociais, os locais mostram a sua indignação contra o que dizem ser o egoísmo dos parisienses e alertam para a saturação inevitável dos hospitais da região. Este médico de Noirmoutiers e os colegas tentaram preparar-se da melhor maneira possível.

"Começámos a apelar a pessoal médico para que nos ajude em caso de emergência, mas os hospitais da região vão ter de enfrentar este aumento populacional. E se houver casos graves de coronavírus, não é certo que haja camas suficientes para todos. Devia ter havido uma pedagogia, que tivesse dito desde o início que era completamente proibido deslocarmo-nos por todo o país, pelas estradas ou de comboio. Não sei se viram as imagens da estação ferroviária de Montparnasse cheia de gente a apanhar comboios. Estes comboios são o local perfeito para uma propagação de vírus", realça Cyrille Vartanian, médico em Noirmoutier. 

A Noruega proibiu que as pessoas se deslocassem para as suas segundas habitações. Quem não obedecer será punido com multa de 1500 euros ou 10 dias de prisão.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Covid-19: Polémica sobre controlo dos cidadãos via telemóvel

Terceiro dia de greve na Torre Eiffel

Agricultores franceses mantêm protestos apesar de novas medidas do governo