Última hora
This content is not available in your region

Tecnologia europeia fomenta agicultura de precisão

euronews_icons_loading
Tecnologia europeia fomenta agicultura de precisão
Direitos de autor  euronews
Tamanho do texto Aa Aa

A agricultura inteligente, também chamada agricultura de precisão, é o próximo ponto de viragem do universo agronómico. Na Grécia, os investigadores acreditam que ela vai poder ajudar os agricultores a tornar a produção mais precisa rentavel.

Olivais ao microscópio

No Peloponeso grego, as azeitonas ainda são colhidas respeitando técnicas ancestrais. No entanto, a região tornou-se num campo de testes para tecnologias avançadas.

No âmbito de um projeto europeu de investigação, cientistas estão a desenvolver dispositivos, como um drone com uma câmara multiespectral, a partir do qual os produtores de azeite podem monitorizar ao detalhe a evolução de crescimento de cada uma das suas árvores.

"É como colocar um microscópio no ar. Podemos identificar que árvores são mais vigorosas e saudáveis em comparação com outras, e então definir tratamentos direcionados", explica Evangelos Anastasiou, engenheiro agrícola e investigador na Universidade Agrícola de Atenas.

Futuris / Euronews

Através do drone também é possível controlar melhor a irrigação. Com uma estação meteorológica inteligente, ligada aos sensores de humidade do solo, os agricultores podem regar sem ir ao campo, usando apenas um telemóvel e economizando tempo, dinheiro e água.

Kostas Pramataris, engenheiro informático, explica que "este dispositivo permite monitorizar o solo e estabelecer algumas regras inteligentes; portanto, quando a humidade do solo estiver abaixo de um limite específico, ele vai começar a regar e pára assim que o nível de humidade subir".

Um sensor de condutividade elétrica permite perceber como a água se move no subsolo.

Para os agricultores, já sob pressão financeira estas tecnologias são caras. Mas, perante os riscos ambientais que enfrentam, os produtores dizem-se estar preparados para a mudança.

"São ferramentas que nos vão ajudar a reduzir os consumos, que é uma das nossas prioridades. Também vão permitir produzirmos produtos seguros e aumentar a produção. Mas o mais importante é que o produto final seja ecológico. E, se seguirmos este caminho sem as novas tecnologias, não temos qualquer hipótese de sucesso", afirma o diretor do departamento de conomia rual de Trifylia, Antonis Paraskevopoulos.

A vida dos suínos ao minuto

A Suécia é um dos países mais rigorosos em termos de bem-estar animal.

Numa exploração pecuária local, os cientistas estão a testar sensores óticos, fixados nas orelhas das porcas. Através desses dispositivos, medem o batimento cardíaco e a partir daí recolhem múltiplas informações.

Christophe Verjus, do Centro de Investigação e Desenvolvimento CSEM, revela que "graças à medição da frequência cardíaca, especialmente se conhecermos a frequência cardíaca regular de um determinado animal, podemos saber se está com febre, stressado, ou doente. E isto antes de os sintomas serem visíveis, o que permite aos produtores agir a montante e tomar decisões rapidamente".

Futuris / Euronews

A tecnologia também permite ajudar os produtores durante o momento mais crucial, o parto.

Para cuidar das crias, as porcas têm de estar em excelente estado de saúde. Graças a um sistema de alerta, Jos e o filho, Frank, podem ser mais conscientes e reativos durante o processo.

"Quando vou para casa, não sei o que está a acontecer no estábulo. Com estes dados, posso ver em casa se há uma porca que começa a dar à luz. E isso vai ajudar-me de manhã", conta Frank Bottermans.

Todos os dados passam por este portal, que também mede a qualidade e a temperatura do ar. Mas será que com toda esta tecnologia ainda podemos considerar esta quinta uma quinta?

Para Anders Herlin, professor da Universidade de Ciências Agrícolas da Suécia e coordenador do projeto, a resposta é clara: "cada animal é muito importante, é valioso e tem seu próprio direito ao bem-estar. Portanto, temos de monitorizar cada um deles. Essa é a ideia da pecuária de precisão".

Até 2025, estima-se que o mercado global de agricultura inteligente duplique, chegando aos 16 mil milhões de euros.