EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Aumenta a taxa de desemprego na Europa

Aumenta a taxa de desemprego na Europa
Direitos de autor GABRIEL BOUYS/AFP or licensors
Direitos de autor GABRIEL BOUYS/AFP or licensors
De  Patricia Tavares
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Espanha é um dos países mais afetados com 9,3% em março.

PUBLICIDADE

As taxas de desemprego na Europa estão a aumentar. As medidas restritivas relacionadas com o coronavírus continuam e as economias ressentem-se. As empresas estão em dificuldade e algumas são obrigadas a demitir funcionários.

Espanha é um dos países mais afetados - a taxa de desemprego saltou para 9,3%, em março.

Hoje, Espanha registou um aumento no desemprego de 302.265 pessoas. Trata-se de um aumento absolutamente excepcional em comparação com qualquer outro mês.
Yolanda Díaz Pérez
Ministra do trabalho de Espanha

O cenário semelhante no Reino Unido. Na quarta-feira, as autoridades revelaram que quase um milhão de pessoas pediu apoio à segurança social nas últimas duas semanas - cerca de dez vezes mais do que o habitual.

Tudo isto apesar das promessas do governo de financiar 80% dos salários. Estendendo a medida aos trabalhadores independentes.

A ministra do Trabalho de França, Muriel Pénicaud, diz que quase um quinto da força de trabalho foi afetada:  "337 mil empresas fizeram o pedido de apoio, a grande maioria são pequenas empresas. E estas candidaturas representam 3,6 milhões de funcionários".

Na Áustria, o número de desempregados também atingiu um pico, chegando aos dois terços no mês passado, quando a pandemia paralisou o turismo e o comércio.

Para fazer face à crise na União Europeia, o bloco europeu propõe soluções próprias, para dar apoio a empregadores e funcionários.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Gigante do comércio alemão Karstadt tenta plano de resgate mas não evita milhares de despedimentos

Emprego em máximos históricos: Portugal tem mais de 5 milhões de trabalhadores

Grécia: greves contra desemprego e baixos salários