Última hora
This content is not available in your region

Covid-19: Os números e as notícias de quarta-feira, 22 de abril

Médico assiste paciente infetado pelo novo coronavírus no Canadá
Médico assiste paciente infetado pelo novo coronavírus no Canadá   -   Direitos de autor  JONATHAN HAYWARD/THE CANADIAN PRESS
Tamanho do texto Aa Aa

A pandemia de Covid-19 já afetou mais de 2,5 milhões de pessoas em todo mundo e está a deixar um rasto de tragédia humana com 178 mil mortos, indicava ao início do dia a Universidade Johns Hopkins..

Havia, por outro lado, mais de 680 mil pessoas já recuperadas da doença.

Recorde aqui as notícias do dia:

21h25 (CET) São Paulo vai reabrir gradualmente a economia a partir de 11 de maio

O estado mais afetado pelo novo coronavírus vai reabrir lentamente a economia a partir de 11 de maio, segundo aquilo que o governador de São Paulo, João Doria, avançou numa conferência de imprensa.

Todos os estabelecimentos comerciais não essenciais estão encerrados em São Paulo, epicentro da pandemia no Brasil. O estado, com 44 milhões de pessoas, conta com 1.093 mortes e 15.385 casos confirmados para o novo coronavírus.

21h10 (CET) Seis migrantes do hostel de Lisboa estão desaparecidos

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras avançou que seis migrantes que eram hóspedes do hostel de Lisboa estão por localizar. Em comunicado, o SEF admite que no dia da realização de testes à covid-19, 25 hóspedes não estavam no local, pelo que 19 destes já foram localizados.

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras acredita que dois dos seis cidadãos estrangeiros por localizar poderão estar no Reino Unido, pelo que foi pedida a colaboração das autoridades inglesas para a detenção.

20h50 (CET) Médica cubana é 25º caso positivo em Angola

A ministra da Saúde Silvia Lutucuta anunciou mais um caso de infeção no país, elevando assim para 25 o número total de doentes por covid-19.

Ler artigo aqui

20h25 (CET) Governo de Cabo Verde diz que pandemia custa 2% do PIB do país por mês

O vice-primeiro-ministro de Cabo Verde, Olavo Correia, diz que a pandemia está a ter um custo direto económico e financeiro mensal de 30 milhões de euros, valor que equivale a quase 2% do Produto Interno Bruto (PIB).

“São custos ao nível do Orçamento do Estado e com as obrigações decorrentes desta pandemia. 30 milhões de euros por mês”, escreveu, Olavo Correia, também ministro das Finanças.

20h10 (CET) A Organização Mundial de Saúde diz que coronavírus vai "acompanhar-nos durante muito tempo"

Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial de Saúde disse hoje na conferência diária de imprensa, em Genebra, que o vírus que provoca a covid-19 vai estar presente durante “muito tempo”.

Depois de admitir que a Europa está numa "situação estável" e com "tendência em baixa" nas contaminações, o representante da OMS admitiu que o mundo "não voltará a funcionar como antes".

Conferência da OMS:

19h50 (CET) Autoridades dos EUA dizem que coronavírus já circulava no país no início de fevereiro

As autoridades de saúde de Santa Clara, na Califórnia, nos EUA, reconheceram que a primeira morte relacionada com a covid-19 aconteceu no início do mês de fevereiro, 20 dias antes da primeira morte oficial declarada pelo governo.

Em comunicado, as autoridades norte-americanas escrevem que as autópsias de duas pessoas que morreram em suas casas nos dias 06 e 17 de fevereiro revelaram a doença covid-19, provocada pelo nono coronavírus.

A presença do novo coronavírus nos falecidos foi determinada por amostras de tecido e posteriormente ratificada pelo Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC).

19h15 (CET) França regista novos casos e ultrapassa os 21 mil mortos

Segundo os dados avançados pelo governo francês há minutos, morreram nas últimas 24 horas mais , o que faz um total de mortos em todo o território francês devido à pandemia do novo coronavírus.

19h10 (CET) Reino Unido ultrapassa as 18 mil mortes

Foram diagnosticados 4900 novos casos e 759 pessoas perderam a vida nas últimas 24 horas no Reino Unido. O número de infeções continua a aumentar, no país, onde o número de mortos é agora de 18.100.

Na terça-feira, tinham sido registadas mais 823 mortes e mais 4.301 novos casos de pessoas infetadas relativamente ao dia anterior.

Os números das mortes são compilados a partir de dados das direções regionais de Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte e referem-se a óbitos registados até às 17:00 da véspera apenas em hospitais.

Na conferência de imprensa diária do governo na terça-feira, o sub-diretor geral da Saúde de Inglaterra, Jonathan Van Tam, disse acreditar que Londres já passou pelo pico de infeções, que terá acontecido antes da Páscoa, mas que outras partes do Reino Unido ainda não.

18h45 (CET) Oposição espanhola questiona Sánchez sobre número de mortes em Portugal

Pablo Casado, do Partido Popular (direita) e líder da oposição espanhola, questionou, de folha na mão, o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, como era possível Portugal, país vizinho, ter 700 vítimas mortais enquanto Espanha regista mais de vinte mil mortos devido à pandemia.

“Como é possível que Portugal tenha tido 700 vítimas mortais e nós mais de 20.000, se partilhamos uma fronteira comum?”, perguntou Casado a Sánchez durante o debate no parlamento que aconteceu esta tarde. Sanchéz não respondeu diretamente.

Portugal tem cerca de 10 milhões de habitantes, Espanha cerca de 45 milhões. Mesmo em proporção, Espanha tem um número muito mais elevado de vítimas mortais relacionadas com o novo coronavírus, comparada com Portugal.

18h21 (CET) Itália ultrapassa barreira dos 25 mil mortos

Nas últimas 24 horas morreram, em Itália, mais 437 pessoas. O número de vítimas mortais num dos países mais afetados com a pandemia é agora de 25,085. No último dia surgiram 3,370 novos casos positivos, uma subida em relação aos números de terça-feira (2,729).

O número total de infeções em Itália é de 187,327, e 54,543 já recuperaram da doença.

18h06 (CET) Governo português vai reduzir taxa do IVA das máscaras e do gel desinfetante

António Costa anunciou durante o debate quinzenal que está a decorrer esta tarde no parlamento que o governo vai reduzir a taxa do IVA das máscaras e do gel desinfetante de 23% para 6%. A proposta tinha sido feita por Rui Rio, líder do PSD.

"Iremos adotar esta medida, se não no Conselho de Ministros desta semana, no da próxima semana quer sobre as máscaras quer sobre os materiais de desinfeção", anunciou o primeiro-ministro.

17h55 (CET) Ministra sul-africana condenada a pagar multa por violar confinamento

Stella Ndabeni-Abrahams, ministra das Comunicações e das Tecnologias Digitais da África do Sul, foi condenada a pagar uma multa de 1000 ands, cerca de 48 euros, depois de ter violado o confinamento. Em causa estará um almoço na casa do ex-deputado do Congresso Nacional Africano Mduduzi Manana. O jantar tornou-se "público" depois da própria ministra ter partilhado uma fotografia na mesa com a família do ex-deputado. A publicação tornou-se viral e foi alvo de criticas entre a população, que chegou mesmo a pedir a demissão de ministra.

O Presidente do país, Cyril Ramaphosa, reagiu ao comportamento da ministra, disse que o confinamento nacional é para ser cumprido em "absoluto".

“O confinamento nacional pede um cumprimento absoluto por todos os sul-africanos. Membros do executivo têm uma responsabilidade especial de estabelecerem um exemplo para os sul-africanos, que têm de fazer grandes sacrifícios”, escreveu Ramaphosa, em comunicado.

O presidente do país pediu à ministra em causa para emitir um pedido de desculpas. Stella Ndabeni-Abrahams acabou por pedir desculpas em comunicado. A ministra está suspensa por dois meses de todas as funções, assumiu ter violado o confinamento e deverá apresentar-se em tribunal a 22 de maio para pagar a multa.

Até à data, África do Sul regista 3.300 casos positivos para covid-19 e 58 mortes.

17h38 (CET) ONG Médicos sem Fronteiras diz que vai ficar sem máscaras nas próximas semanas

A organização não-governamental (ONG) Médicos sem Fronteiras apelou às Nações Unidas e aos líderes mundiais para que promovam uma distribuição justa do equipamento médico de proteção para fazer face à pandemia mundial de covid-19.

A ONG diz que deverá ficar sem máscaras dentro das próximas semanas.

“Precisamos de 26 milhões de máscaras para os próximos seis meses, mais de um milhão de máscaras por semana", disse o diretor-adjunto das operações da Médicos sem Fronteiras (MSF), Kenneth Lavelle, numa conferência de imprensa em Genebra (Suíça).

“Neste momento, temos um ‘stock’ global para cerca de três ou quatro semanas no máximo”, alertou o representante, lamentando a escassez de equipamentos de proteção.

17h30 (CET) Governo português espera anunciar no fim do mês em que data o 11º e 12º anos voltam às aulas presenciais

António Costa afirmou esta tarde no parlamento que no próximo dia 30 deverá ser anunciada a data para o regresso às aulas presenciais dos 11º e 12º anos de escolaridade. O chefe do governo referiu que haverá uma reunião sobre a retoma das aulas presenciais no próximo dia 28 de abril.

"Queremos ter a segurança para, no Conselho de Ministros de dia 30 podermos tomar decisões sobre o calendário de reabertura das aulas presenciais para os alunos. No dia 29, vou convidar todos os partidos para uma nova ronda de audições sobre o calendário de reabertura, numa estratégia de desconfinamento gradual e progressivo, na qual a componente escola não estará obviamente ausente", disse António Costa.

17h10 (CET) Crise não se resolve com austeridade, diz António Costa

Durante o debate quinzenal, o primeiro-ministro português afirmou que se deve "evitar acrescentar crise à crise". Em resposta ao secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, António Costa disse que "não se pode responder a esta crise com respostas de austeridade".

O primeiro-ministro de Portugal acrescentou que a prioridade do governo é "manter o rendimento dos trabalhadores e das empresas", um caminho de onde o governo não irá "arredar pé".

15h51 (CET) França diz que plano de relançamento da economia da UE só deverá chegar a consenso em junho

Segundo a presidência francesa, o plano de relançamento da economia da União Europeia só "deverá acontecer em junho", depois do consenso dos 27, avança a AFP.

França apresentou a proposta de 1 bilião a 1,5 bilião de euros para o plano de recuperação económica e social da UE, para fazer frente às consequências da pandemia do coronavírus.

A maioria dos países europeus concorda com a necessidade de medidas de apoio mas há divergências quanto à forma como este apoio será distribuído pelos diferentes Estados-membros.

O plano vai ser discutido na próxima quinta-feira pelo Conselho Europeu.

15h10 (CET) Governo francês diz que vai estar "extremamente vigilante" em relação aos conflitos nos subúrbios de Paris

O governo francês reagiu à violência que tem acontecido nos arredores da capital, onde nove pessoas foram detidas nos últimos dias por desacatos em espaços públicos.

O porta-voz do governo de Macron diz que o governo estará "extremamente vigilante" em relação a estes conflitos que têm tido palco nas ruas, mesmo durante o período de confinamento.

Nove pessoas foram detidas por alegados distúrbios com a polícia, nos arredores da capital francesa. Segundo as agências, os suspeitos foram levados pelas forças de autoridade "por posse de engenhos incendiários e pela participação em grupo com o objetivo de cometer violência e danos". As detenções ocorreram depois de vários confrontos entre a polícia e habitantes dos arredores de Paris, durante a noite, nos últimos dias.

Os confrontos em Paris terão começado depois de, no sábado, um motociclista em Villeneuve-la-Garenne ter embatido contra um carro da polícia que estava descaracterizado.

O mesmo cenário de violência tem acontecido em Estrasburgo, onde já quatro pessoas foram detidas. Em Meinau, várias pessoas atacaram uma esquadra da polícia com ‘cocktails molotov’. Na zona leste, em Port du Rhin, vários caixotes do lixo foram incendiados.

14:51h (CET) Número de novas infeções diminui no Irão

O governo iraniano anunciou esta quarta-feira mais 94 mortes relacionadas com o novo coronavírus no país. O número total de mortes é agora de 5.391. No último dia surgiram 1.194 casos positivos. Segundo o ministério da Saúde, o numero de novos casos está a baixar.

“A tendência para uma baixa progressiva dos casos de infeção mantém-se”, disse o porta-voz do ministério da Saúde, Kianuche Jahanpur.

O Presidente iraniano, Hassan Rohani, deixou o alerta à população para que continue "vigilante".

“O maior problema que nos pode afetar é pensarmos, com arrogância, que o trabalho está terminado e que ganhámos”, disse Rohani.

14h45 (CET) Saúde em Portugal contratou 1800 profissionais desde o início da pandemia

Durante a conferência de imprensa diária da DGS, o Secretário da Saúde, António Lacerda Sales, admitiu que, entre médicos, enfermeiros e restantes profissionais de saúde, já foram contratados cerca de 1800 pessoas para fazer face à pandemia de covid-19.

Segundo o secretário de Estado, estes profissionais estão em contrato a termo de 4 meses, contrato "que poderá ser prolongado" consoante a evolução da pandemia.

14h19 (CET) Morreram mais 23 pessoas em Portugal nas últimas 24 horas

Segundo os dados revelados há minutos pela Direção-Geral da Saúde, o número de vítimas mortais ligado ao covid-19 em território português é agora de 785, depois de no último dia terem morrido mais 23 pessoas. Nas últimas 24 horas surgiram 603 novos casos, o que perfaz um total de 21.982 infetados pelo novo coronavírus em Portugal.

Conferência de imprensa:

Publiée par Direção-Geral da Saúde sur Mercredi 22 avril 2020

14h05 (CET) Organização Meteorológica Mundial diz que diminuição de poluição deste ano não é suficiente

É esperado que as emissões globais de dióxido de carbono desçam, este ano, cerca de 0,6%, segundo a OMM, devido à pandemia da covid-19. Mas, segundo os especialistas, o valor não será suficiente para que as alterações climáticas recuem.

12h50 (CET) África aproxima-se dos 1200 mortos devido à pandemia

O número de mortes associadas à Covid-19 em África subiu para 1.191, com mais de 24.600 casos de infeção registados em 52 países, segundo as estatísticas mais recentes sobre a pandemia naquele continente.

O Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC),regista ainda quase 6.500 pessoas recuperadas da infeção pelo novo coronavírus.

Angola já fez mais de 1.100 testes, soma 24 casos registados, 2 mortes e 6 pessoas recuperadas. Moçambique também já realizou mais de um milhar de testes, soma 39 casos, oito pessoas recuperadas e ainda não sofreu fatalidades.

Cabo Verde realizou 180 testes, tem 68 casos, um morte e uma pessoa recuperada. São Tomé e Príncipe apenas tem regiostados na CDC África 4 testes efetuados e todos com resultado positivo. a Guiné Bissau tem quase 200 testes registados e 50 casos confirmados.

CDC África
Atualizado esta quarta-feira de manhãCDC ÁfricaMarques, Francisco

12h40 (CET) Paludismo ameaça voltar na sombra da Covid-19

A Organização Mundial da Saúde para África alertou hoje para a capacidade que o paludismo tem de reaparecer em tempos de crise, como a pandemia de covid-19, apelando a um esforço contra uma doença que mata anualmente 400.000 pessoas.

Na mensagem alusiva ao Dia Mundial de Luta contra o Paludismo, que se assinala no sábado, a diretora regional da OMS para a África, Matshidiso Moeti, referiu que esta é uma boa oportunidade de “chamar a atenção para o impacto devastador que esta doença tem nas famílias, nas comunidades e na sociedade”.

12h35 (CET) Bélgica volta a registar uma queda nos novos casos de infeção

A Bélgica anunciou hoje 933 novos casos confirmados de Covid-19, o segundo recuo consecutivo, com o número de mortes a assinalar novamente uma subida e o de altas hospitalares a ultrapassar o de internamentos.

Nas últimas 24 horas, segundo informação das autoridades de saúde federais, foram registados 933 novos casos confirmados de infeção por covid-19, para um total de 41.889, um recuo face às 973 novas contaminações assinaladas na véspera e às 1.487 de segunda-feira.

O número diário de mortes por covid-19 registou uma nova subida, com 266 óbitos registados nas últimas 24 horas, uma subida face aos 170 de terça-feira e aos 168 de segunda, para um total de 6.262.

De acordo com o boletim epidemiológico de hoje, nas últimas 24 horas foram internadas mais 263 pessoas em hospitais (uma subida na comparação com as 172 de terça-feira), num total de 13.797, e 423 tiveram alta (107 na terça-feira), o que perfaz 9.433 desde 15 de março.

11h50 (CET) Petróleo de referência em Portugal continua a desvalorizar

O preço do barril de petróleo Brent para entrega em junho continuou hoje a cair, ao registar menos 9,22% no Intercontinental Exchange Futures (ICE) de Londres devido ao excesso de oferta do mercado.

O petróleo de referência na Europa cotava-se cerca das 09h00 (hora de Londres/ Lisboa) no ICE Futures a 17,31 dólares, seguindo a tendência dos últimos dias. Contudo, o Brent subia ligeiramente face ao preço de abertura de hoje, de 16,38 dólares, um mínimo desde 1999.

11h05 (CET) Espanha regista nova subida ligeira no número de mortes diárias

O ministério da Saúde espanhol apresentou esta manhã a atualização dos dados recolhidos até às 21 horas de terça-feira e lamentou a morte de mais 435 pessoas infetadas pela Covid-19 - mais cinco pessoas do que o somado na atualização anterior, mas pelo quarto dia consecutivo abaixo do meio milhar.

No total, Espanha soma 21.717 óbitos, é terceiro país com maior número de fatalidades no âmbito da pandemia, atrás dos EUA (45.063) e da Itália (24.448), e tem ainda mais de 100 mil casos ativos de infeção e quase 86 mil pessoas recuperadas da doença.

09h15 (CET) Bolsa de Lisboa abre em terreno positivo

A Bolsa de Lisboa abriu a sessão de hoje em terreno positivo, com o principal índice, o PSI20, a subir 0,02%, para os 4.036,83 pontos.

Na terça-feira, a bolsa de Lisboa encerrou em queda com o índice PSI20 a perder 2,27% para 4.035,94 pontos, uma descida inferior às registadas nas principais bolsas europeias.

As principais bolsas europeias encerraram com quedas mais acentuadas, penalizadas pela descida do preço do petróleo nos mercados internacionais. Frankfurt caiu 3,99%, Paris 3,77%, Milão 3,59%, Londres 2,96% e Madrid 2,88%.

09h10 (CET) CGTP sai à rua para celebrar o 1.° de Maio mas com distanciamento

A secretária-geral da intersindical CGTP, Isabel Camarinha, vai fazer a intervenção do 1.º de Maio na alameda Afonso Henriques, em Lisboa, como é habitual, mas sem a participação de milhares de trabalhadores e respeitando o distanciamento de segurança.

“Decidimos que não podemos realizar grandes concentrações, manifestações ou desfiles para assinalar o Dia do Trabalhador, que são sempre grandes jornadas de luta”, disse a sindicalista à agência Lusa, reconhecendo a necessidade de afastamento social para travar a propagação da covid-19, mas considerando que a atual situação laboral exige que as violações sejam denunciadas na rua.

08h20 (CET) Conselho de Estado de Timor-Leste apoia extensão do Estado de Emergência

O Conselho de Estado timorense apoiou hoje a extensão durante 30 dias da declaração do estado de emergência em Timor-Leste, pedida pelo Governo, em resposta à pandemia da Covid-19.

Também os membros do Conselho Superior de Defesa e Segurança (CSDS) deram opinião favorável à extensão da declaração que está em vigor até domingo.

05:10 (CET) Preços do petróleo sobem mais de 18% nos mercados asiáticos

O preço do barril West Texas Intermediate (WTI), de referência nos Estados Unidos, para entrega em junho subiu 18,93% para 13,76 dólares (12,7 euros), depois das pesadas perdas registadas na segunda-feira em Nova Iorque, devido à descida da procura causada pelos efeitos económicos da pandemia da Covid-19.

Em Nova Iorque, o preço do barril WTI para entrega em maio, cuja negociação expirou na terça-feira, tinha caído na segunda-feira abaixo de zero pela primeira vez na história.

O barril WTI para entrega em junho, que vai ser o mês de referência para os contratos a partir de hoje, caiu 43%, para acabar em 11,57 dólares, algo inédito desde a criação deste contrato em 1983. Durante a sessão, contudo, chegou a cotar-se a 6,50 dólares.

04:40 (CET) Missouri processa China devia ao surto de Covid-19

O estado do Missouri, nos EUA, entrou com uma queixa contra a China num tribunal federal americano, acusado o governo de Pequim de ser "responsável pela enorme mortalidade, sofrimento e prejuízos económicos infligidos no mundo, incluindo nos cidadãos do Missouri".

O Procurador-geral do estado norte-americano, Eric Schmitt, alega que o regime chinês mentiu sobre o perigo do vírus e não fez o suficiente para travar a propagação.

Outras notícias das primeiras horas do dia:

  • Atualização do balanço de vítimas da pandemia às 6h38 (CET) de hoje pela Universidade Johns Hopkins indica 2.564.515 casos de infeção confirmada em todo o mundo, 177.466 mortes associadas a este novo coronavírus e 681.842 pessoas recuperadas da infeção.

  • Brasil somou mais 160 mortes associadas à Covid-19 em apenas 24 horas e aproxima-se dos 2.800 óbitos no âmbito da pandemia, já com mais de 43.300 casos de infeção confirmados.

  • Estados Unidos da América são o país mais afetado pela pandemia, com mais de 820 mil infeções registadas, incluindo 45.063 mortes e mais de 700 casos ainda ativos. Mais de 75.500 pessoas já recuperaram da infeção no país.

Universidade Johns Hopkins
Atualização da pandemia às 06h38 de 22 de abril de 2020Universidade Johns HopkinsMarques, Francisco
  • Nações Unidas assinalam o 50.° aniversário do Dia Mundial da Terra (22 de abril) destacando a urgência na redução das emissões de dióxido carbono (CO2) para a atmosfera. As medidas de contenção da pandemia de Covid-19 contribuíram para uma redução acentuada das emissões, mas esta é uma fase que o mundo espera passageira e rápida, e que terá pouco impacto no futuro ambiental do planeta. A ONU sublinha a necessidade de uma redução anual de emissões na ordem dos 7,6% para manter vivo o objetivo de um aquecimento global de apenas 1,5° Celsius até 2050.