Última hora
This content is not available in your region

Atores isolados filmam série "Diários de Quarentena" por Skype

euronews_icons_loading
Atores isolados filmam série "Diários de Quarentena" por Skype
Direitos de autor  RTVE
Tamanho do texto Aa Aa

"Este vírus é tão chato... pode ficar colado a uma lata de atum durante mais de três semanas” - escuta-se num episódio de "O Diário da Quarentena". A série é o novo grande sucesso do canal público de televisão espanhol TVE. Durante 30 minutos, 15 atores contam histórias que muitos cidadãos experienciam durante semanas de confinamento por causa da Covid-19

Com apenas um telemóvel, um tripé e assistência Skype, os atores gravam o que fazem nas suas casas. A televisão entra na era do confinamento.

"Tenho a certeza que ninguém vai parar de fazer coisas. E não digo coisas gratuitas no Instagram. Falo de produções a sério que são pensadas e desenvolvidas através dos meios técnicos que temos nesta altura ao nosso dispor", diz o ator José Luís Pérez.

A crise do coronavirus levou o consumo de televisão a níveis nunca antes vistos e forçou os canais a estabelecerem novos formatos para ir ao encontro da procura do público.

A televisão sempre foi uma janela que levou o mundo às casas das pessoas. Mas desta vez a televisão leva as nossas casas ao mundo, porque o nosso mundo ficou reduzido às quatro paredes.

"Posso ver, especialmente, através dos meus pais e outras pessoas mais velhas que eles estão a ficar como que obcecados e achámos que seria muito benéfico para eles, terem a oportunidade de ficarem um pouco desligados", revela o produtor, Álvaro Longoria.

Mas a televisão estatal também enfrenta algum criticismo por alegadamente ignorar a tragédia da pandemia que custou mais de 20 mil vidas ao oferecer uma visão mundana dos traumas da classe média.

"Humor é um dos nossos grandes mecanismos de autodefesa. Os mecanismos de autodefesa são usados para enfrentar situações internas ou externas que enfrentamos. Penso que o limite é o respeito. Não devemos ser desrespeitosos", explica a psiquiatra Berta Pinilla.

A televisão espanhola insiste que este género de programas apenas tentam arrancar um sorriso durante uma situação dramática e desesperada. Feita com amor e respeito, a série começa a ser bem recebida pela audiência e países como o México, a França e os Estados Unidos já começaram a adaptar o formato.