EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Turistas estrangeiros só em julho podem entrar em Espanha

Turistas estrangeiros só em julho podem entrar em Espanha
Direitos de autor Manu Fernandez/AP.
Direitos de autor Manu Fernandez/AP.
De  Teresa Bizarro
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Mais de um mês de fronteiras fechadas. Pedro Sánchez espera entrar na fase três de desconfinamento dentro de duas semanas, mas antes o país vai viver 10 dias de luto nacional

PUBLICIDADE

O combate à Covid-19 avança mais um degrau em toda a Espanha, já a partir de segunda-feira. Novo alívio das restrições à circulação e atividade económica, mas o executivo espanhol mantém as fronteiras encerradas. Turismo só a partir de julho, anunciou este sábado o primeiro-ministro.

Numa longa comunicação na televisão, Pedro Sánchez assegura que os espanhóis vão poder começar a fazer férias "em breve". Convida por isso "todos os estabelecimentos turísticos, como bares, restaurantes ou concessionários de praia a prepararem-se para retomar a atividade nos próximos dias". Para quem vem de fora, o mês de julho é dado como certo "para a entrada de turistas em condições de segurança." Sánchez diz que os estrangeiros "já podem começar a fazer planos de férias em Espanha".

Antes todo o território vai passar por um período de luto nacional. 10 dias a começar já na quarta-feira. Um longo período que termina antes do país entrar na terceira fase de desconfinamento.

Na semana de 8 de junho, diz o primeiro-ministro espanhol, espera-se "a retoma da maioria das competições profissionais desportivas, em particular, a liga de futebol profissional."

Jogos que vão decorrer à porta-fechada, já se sabe. Pedro Sánchez quiz sublinhar que embora o contágio dê sinais de abrandar, a questão sanitária não desapareceu.

Nas ruas, milhares de pessoas sairam à rua em protesto pela forma como o executivo espanhol está a lidar com a pandemia.

Manifestações convocadas pelo partido de extrema-direita VOX. Ouviram-se pedidos de demissão do governo e apelos"para acabar com as restrições", porque estão a levar os espanhóis "à ruína".

Em jeito de resposta o primeiro-ministro descartou demissões e garantiu que vai cumprir o mandato até ao fim. Seis mil carros, buzinaram a pedir o contrário. A manifestação do VOX bloqueou várias cidades por todo o país.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Portugueses desconfinam na praia

Covid-19 pode ser estocada final na festa brava

Resposta à crise divide frugais e endividados