Última hora
This content is not available in your region

Retoma do julgamento do caso do voo MH17

euronews_icons_loading
Igor Girkin, il comandante Strelkov
Igor Girkin, il comandante Strelkov   -   Direitos de autor  Pavel Golovkin/Copyright 2018 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

Interrompido em março, o julgamento do caso da queda do avião da Malaysia Airlines que operava o voo MH17, é retomado esta segunda-feira, na Holanda.

A 17 de julho de 2014, um Boeing 777 operado pela companhia aérea da Malásia partiu de Amesterdão mas nunca chegou ao destino final: Kuala Lumpur.

Quatro suspeitos, três russos e um ucraniano, são acusados de provocar a morte das 298 pessoas a bordo e a queda do avião, na região do Donbass, controlada por separatistas pró-Rússia no leste da Ucrânia. Entre eles está Igor Girkin, conhecido pelo pseudónimo de Igor Strelkov, que se manifestou sobre a matéria em entrevista à Euronews.

"Para falar sobre algum tipo de responsabilidade judicial ou criminal, eu nem hesitei. As milícias não derrubaram o Boeing. Não faço mais comentários a esse respeito. A investigação não dispõe de conversas telefónicas que me possam envolver, ou aos meus subordinados, em relação ao Boeing", referiu Girkin.

De acordo com a investigação, o míssil terra-ar BUK, a verdadeira arma da tragédia disparada da região controlada por separatisas pró-russos na Ucrânia, foi imediatamente transportado de volta ao território russo após o abate do aparelho.

"Não há registo de conversas por telefone ou do que quer que seja envolvendo-me ou às pessoas sob meu comando acerca da queda do avião. Nas duas conversas por telefone em que falei diretamente não há nada acerca do Boeing 777 nem sobre este caso", acrescentou Girkin.

A Rússia rejeita qualquer responsabilidade e aponta o dedo às forças militares ucranianas. Moscovo alega que as armas que as milícias pró-russas dispunham não tinham capacidade para alcançar a altitude a que o Boeing 777 se deslocava.

"Penso que neste caso, Vladimir Putin agiu de forma irresponsável, primeiro em palavras, e através dos próprios atos, encorajando as pessoas do Donbass e depois negando ajuda real", sublinhou o russo suspeito de provocar a queda do avião.

Igor Girkin foi "ministro da Defesa" da autoproclamada República Popular de Donetsk. É suspeito juntamente com os russos Sergey Dubinskiy e Oleg Pulatov e o ucraniano Leonid Kharchenko.