Última hora
This content is not available in your region

Violência doméstica aumenta na Rússia

euronews_icons_loading
Violência doméstica aumenta na Rússia
Direitos de autor  Pavel Golovkin/Copyright 2019 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

As Organizações não Governamentais da Rússia que ajudam vítimas de violência doméstica pedem medidas urgentes da parte das autoridades. Durante o confinamento, o número de vítimas aumentou, mas sem uma lei específica sobre a violência doméstica, não conseguem proteção da parte do Estado.

Daria é vítima de violência doméstica e partilha a sua história, mas com dificuldade. O agressor é o próprio pai. Tudo começou antes do bloqueio, mas o isolamento piorou a situação. Decidiu sair de casa. Mas durante o confinamento, viu o salário reduzido para metade. Teve dificuldade em encontrar um apartamento acessível, mas só se pode mudar daqui a uma semana. Por enquanto, ainda está em casa - com o pai - em risco constante.

Irina gere uma linha direta de uma das ONGs russas, que ajuda vítimas de violência doméstica. O número de chamadas durante o bloqueio aumentou significativamente. Segundo ela, durante a quarentena, até fazer uma chamada pode ser perigoso. Segundo ela, este período de confinamento contribui para o isolamento de uma mulher pelo agressor - a vítima fica totalmente no seu poder.

Alena Popova, uma das co-fundadoras da iniciativa YouAreNotAlone, faz campanha para que a lei sobre a violência doméstica na Rússia seja adotada. Mas, nos últimos anos, o país tem ido no sentido contrário. Um ataque simples contra um membro da família não é considerado crime. O agressor fica livre pagando uma pequena multa.

O aumento da violência doméstica é completamente desastroso e essa violência tornou-se mais sofisticada. Se os agressores batiam antes do bloqueio, agora batem e violam. É uma catástrofe, há muito tempo que temos uma epidemia de violência doméstica e, durante uma pandemia, é claro, essa violência aumentou exponencialmente.
Alena Popova
Advogada

A polícia russa diz que o número de crimes domésticos diminuiu, mas as ONGs preparam-se para um grande número de vítimas a pedir ajuda assim que o bloqueio terminar.