Última hora
This content is not available in your region

Falta de restrições penaliza Suécia

euronews_icons_loading
Falta de restrições penaliza Suécia
Direitos de autor  Andres Kudacki/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved   -   Chris Pizzello
Tamanho do texto Aa Aa

A Suécia está a pagar a fatura por não ter sido firme na imposição de restrições para conter a pandemia da Covid-19. Pelo menos sete países europeus, incluindo os vizinhos Dinamarca, Noruega e Finlândia, interditaram a entrada de cidadãos suecos no seu território. Outros cinco obrigam-nos a um período de confinamento. Isto quando se vão abrindo as fronteiras entre os países europeus.

Trata-se de uma "estratégia de punição" ou simplesmente uma forma de se protegerem, explica uma empresária. Acrescentando que pode haver quem pense que foi uma loucura a forma com a situação se desenrolou, pelo menos no sul do país, "onde as pessoas levavam uma vida normal", as regras não eram muito pesadas. Portanto, conclui, isso "prejudica, um pouco, a imagem da Suécia".

Um professor diz que não está surpreendido e que é normal esta atitude de países que foram muito mais restritivos do que a Suécia.

Enquanto o mundo soma mais de 439 mil mortes, na Suécia o número de óbitos supera os 4800, ou seja, 484 por milhão de habitantes. Uma das mais elevadas taxas a nível mundial. Trata-se, aliás, do país escandinavo mais tocado pela pandemia de Covid-19. Mais de 52 mil pessoas foram infetadas no país desde o início da propagação do vírus.