EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Suécia critica Organização Mundial de Saúde

Suécia critica Organização Mundial de Saúde
Direitos de autor SESVT
Direitos de autor SESVT
De  Ricardo Borges de Carvalho com LUSA
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Suécia diz que é "um erro" ter sido incluído na lista de países com transmissão acelerada do novo coronavírus

PUBLICIDADE

A Suécia critica a Organização Mundial de Saúde por tê-la incluído na lista de países com uma transmissão acelerada do novo coronavírus e onde os sistemas de saúde estão a ser empurrados para os seus limites. Uma lista de onze países que inclui a Ucrânia, Albânia ou a Macedónia do Norte.

Mas para o epidemiologista chefe da agência de saúde pública sueca, Anders Tegnell, esta inclusão não tem sentido.

Diz Tegnell que "é uma interpretação completamente errada dos dados. O número de casos está a aumentar na Suécia, mas porque estarmos agora a testar muito mais do que antes e a fazer testes a outros grupos populacionais."

O epidemiologista garante que "há menos pessoas a precisar de tratamento hospitalar, o número de admissões nos cuidados intensivos também está a diminuir. O sistema de saúde está, portanto, sob menos pressão do que antes. É uma tendência clara e que vai continuar."

Ao contrário do resto da Europa, a Suécia não impôs um confinamento geral à população. Optou pelo isolamento de grupos de risco e apelou à responsabilidade individual dos cidadãos para manterem a distância social. Escolas, ginásios ou restaurantes mantiveram-se abertos.

Ainda no mês passado, a OMS tinha elogiado o país como um modelo a ser seguido.

A Suécia regista um total de 5 mil 230 mortes por Covid-19 e cerca de 20 pessoas continuam a morrer todos os dias, no país, devido à doença.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Suécia ultrapassa cinco mil mortes por covid-19

Falta de restrições penaliza Suécia

Suécia tem alta mortalidade por covid-19 e um rombo na economia