Última hora
This content is not available in your region

Investigadores brasileiros criam tecido capaz de eliminar novo coronavírus

Investigadores brasileiros criam tecido capaz de eliminar novo coronavírus
Direitos de autor  Silvia Izquierdo/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) anunciou, esta quarta-feira, que Investigadores brasileiros desenvolveram um tecido com micropartículas de prata na superfície que demonstrou ser capaz de desativar o vírus que provoca a Covid-19.

Em testes de laboratório, o material foi capaz de eliminar 99,9% da quantidade do vírus após dois minutos de contacto, segundo informações divulgadas hoje pela Fapesp.

O desenvolvimento do material foi feito por uma empresa chamada Nanox e teve a colaboração de investigadores do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP), da Universitat Jaume I, de Espanha, e do Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais (CDMF).

“Já entrámos com o pedido de depósito de patente da tecnologia e temos parcerias com duas tecelagens no Brasil que irão utilizá-la para a fabricação de máscaras de proteção e roupas hospitalares”, salientou Luiz Gustavo Pagotto Simões, diretor da Nanox.

O tecido é composto por uma mistura de poliéster e de algodão, contém dois tipos de micropartículas de prata impregnadas na superfície através de um processo de imersão, seguido de secagem e fixação, chamado 'pad-dry-cure'.

A Nanox, que já fornecia tecidos para indústrias com micropartículas antibacterianas e fungicidas, passou a avaliar se esses materiais também eram capazes de desativar o SARS-CoV-2, uma vez que já tinha sido demonstrado em trabalhos científicos a ação do produto contra alguns tipos de vírus.

Para levar adiante a pesquisa, a Nanox associou-se ao ICB-USP, que conseguiu logo no início da epidemia no Brasil isolar e cultivar em laboratório o novo coronavírus obtido dos dois primeiros pacientes diagnosticados com a doença.

Segundo relatou a Fapesp, amostras de tecido com e sem micropartículas de prata incorporadas na superfície foram caracterizadas por investigadores da Universitat Jaume I e do CDMF por espectroscopia e colocadas em tubos contendo uma solução com grandes quantidades de SARS-CoV-2, crescidos em células.

Estas amostras foram mantidas em contacto direto com os vírus em intervalos de tempo diferentes, de dois e cinco minutos, para avaliar a atividade antiviral.

As experiências foram feitas duas vezes, em dois dias diferentes e por dois grupos diferentes de pesquisadores, de modo que a análise dos resultados fosse feita de forma cega.

“A quantidade de vírus que colocámos nos tubos em contacto com o tecido é muito superior àquela a que uma máscara de proteção é exposta e, mesmo assim, o material foi capaz de eliminar o vírus com essa eficácia”, disse Lucio Freitas Junior, investigador do ICB-USP.

“É como se uma máscara de proteção feita com o tecido recebesse um balde de partículas contendo o vírus e ficasse encharcada”, acrescentou.

Além de testes para avaliação da atividade antiviral, antimicrobiana e fungicida, o material também passou por ensaios para avaliação do potencial alérgico, fotoirritante e fotossensível, para eliminar o risco de causar problemas dermatológicos.

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo número de infetados e de mortos (mais de 923 mil e 45.241, respetivamente), depois dos Estados Unidos.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 443 mil mortos e infetou mais de 8,1 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.